terça-feira, 13 de julho de 2010

Janelas 1

de Miguel Angel

 Anamaria está tomando banho dentro de amplo boxe; aparenta pouco mais de trinta e cinco anos, num corpo atraente. Ao principio seu comportamento mostra-se natural; mas aos poucos, a mão que ensaboa o corpo mecanicamente, vai sofrendo mudanças: seus movimentos se tornam mais lentos até explicitar, para sua surpresa, carícias sensuais que a excitam; ela enrubesce, fecha os olhos com força, afasta a mão como se esta não lhe pertencesse, disfarça esfregando com fúria o rosto; em segundos, lá está aquela mão inconveniente provocando-a novamente. Em rápidos flashes lembra as frustradas tentativas de manter relações sexuais com o marido; o cansaço que o derruba no sonho profundo em meio de uma relação; quando conseguida até o fim, o resultado insatisfatório a relegando ao desamparo; depois, as justificativas moralistas para evitar conversas em torno do assunto.
Agora se enxuga com raiva, olhos vermelhos de auto-piedade; sai nua do banheiro; no quarto bate ruidosamente as gavetas à procura de roupas que não encontra. Anamaria tentando esquecer as palpitações de seu corpo independente e preterido não pode perceber que está sendo observada da janela vizinha à sua, situada a não mais de dez metros de distância no mesmo nível horizontal da sua: é um homem apoiado no peitoril, mostrando seu torso nu, sólido de juventude; ostenta branco sorriso indiscreto e um mirar que não esconde sua excitação; imóvel e silencioso, olha para ela.
Ela no pode vê-lo, ocupada demais em tentar esquecer a raiva; escolhida a roupa com apatia e ainda nua, evita o espelho virando-se em direção à janela aberta: a surpresa a imobiliza por segundos ao descobrir o curioso, instantes que ele aproveita para simular sorriso maroto de menino pego em flagrante, mas sem esconder a perturbação que a visão de sua nudez lhe provoca. Reagindo impulsivamente, ela corre até a janela e a fecha prontamente, enrubescida de timidez e indignação com a impertinência. Depois de o fazer, não consegue evitar um sorriso furtivo que a assusta.
*
Segue

3 comentários:

bernadete disse...

Para comentar, temos que bater na mesma tecla: a sua habilidade de mostrar, com palavras, o interior das pessoas e de escancarar as janelas das almas humanas, devassando-as. Muito bom!!! Que venha a continuação. Aguardamos com ansiedade!
Beijocas serranas.

Joao Paulo Mesquita Simoes disse...

Estou a ver o final desta cena!
Ela amantiza-se com o vizinho!
"Tou certo, ou tou errado?"
(frase de Senhorzinho Malta)

Abraços deste rectângulo europeu!

Mariza disse...

ÔOOOOOOOOOOOO, coisa boa!
Vem tempestade por aí!!!!!!!!!!! uauauauauauauauau!

Beijinhos.
A Condessa Descalça.

Arquivo do blog