sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Limite da banda larga fixa aqui Brasil


Por dudu oliva


quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Miguel Torga e a Filatelia

JOÃO PAULO MESQUITA SIMÕES






No passado dia 17 de janeiro, fez 22 anos que um dos poetas mais ilustres da nossa Literatura Contemporânea, nos deixou. Transmontano, mas residente em Coimbra onde dava as suas consultas na Portagem por cima do Montepio Geral, Adolfo Rocha, de pseudónimo Miguel Torga, era um homem reservado.
Quando em 1986 vim viver e trabalhar para esta cidade, habituei-me a ver, pelas ruas da Baixa, aquela figura alta, carrancuda, agreste até, de gabardina no braço, pasta na mão, mas com uns olhos meigos. Cumprimentava-o sempre, embora nunca o tivesse conversado com ele. Mas era o Torga! Era um Poeta! Era uma figura pública da nossa Literatura! E talvez fosse isso que me obrigasse, no bom sentido da palavra, a cumprimentá-lo.
Foi com grande pena que, a 17 de janeiro de 1995, vim a saber da sua morte pelos meios de comunicação social.
Deixou um grande legado que ainda hoje é estudado quer nas escolas, quer por investigadores.
Também os CTT lhe prestaram uma homenagem em 2007, lançando uma emissão filatélica "Vultos da Cultura Portuguesa".
Dessa emissão, destaco apenas este selo de Torga.

 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Safra da uva de 2017 anima setor vitivinícola


Em um bate-papo descontraído, tirei essas informações direto de uma das maiores produtoras de vinhos do país, e que vem crescendo em grande vantagem das demais.


Ao contrário de 2016, a safra da uva 2017 promete. O comportamento adequado do clima durante todo o ciclo vegetativo das videiras compensará os viticultores que estimam uma boa safra de uva no ano que inicia, diferente da safra anterior, quando amargaram prejuízos e quebras.

O enólogo Ricardo Morari, gerente de produção da Famiglia Zanlorenzi, explica que o inverno rigoroso com alto número de horas de frio fez com que as plantas acumulassem uma boa reserva de nutrientes. “Na brotação e floração houve pouca incidência de chuvas, o que também favoreceu a produção. Estimamos que não ocorra antecipação da maturação das uvas, já que as noites estão com temperatura amena e os dias secos, o que faz com que o metabolismo da videira aconteça de forma mais lenta e uniforme”, diz.

Morari lembra que na safra passada o ciclo vegetativo das videiras na Serra Gaúcha – onde a Famiglia Zanlorenzi possui seu pólo produtivo – foi muito atípico. “Tivemos um inverno de pouco frio, que causou a antecipação da brotação. Quando brotaram, o frio voltou de forma intensa e as geadas afetaram a produção em praticamente todas as regiões produtoras de uva do Rio Grande do Sul, o que gerou uma das maiores quebras de produção da história”, fala. Para 2017, os vinhedos do grupo demonstram que a safra será excelente e alcançaremos um nível de qualidade acima da média”, acentua.

A Famiglia Zanlorenzi espera colher cerca de 25 milhões de quilos de uva. A previsão é produzir aproximadamente 8 milhões de litros de sucos, 10 milhões de litros de vinhos e 1,5 milhão de litros de espumantes. Para a produção de vinhos de mesa e sucos, a companhia receberá uvas de variedades americanas como Bordô, Isabel, Concord e Niágara. Já os espumantes serão produzidos com as espécies viníferas como Chardonnay, Riesling, Pinot Noir, Prosecco, Trebbiano e Moscato.

E tem novidade à vista na Famiglia Zanlorenzi para 2017. A partir deste ano, a empresa vai elaborar 100% dos seus vinhos tintos pelo moderno processo de termo-maceração, que consiste em fazer a extração de cor por meio do calor. “Esta tecnologia foi implantada no grupo buscando vinhos de coloração mais intensa, aromas mais frescos e uma característica mais jovem. Além disso, foi ampliada a linha de espumantes com novos estilos de produtos para atingir os mais variados paladares”, explica Morari.

Outro fator relevante que mantém a Famiglia Zanlorenzi em uma posição privilegiada no mercado são os investimentos em tecnologia de ponta, que permitem a elaboração de produtos de alto nível em todos os segmentos. “Também estamos constantemente reforçando nossa equipe técnica, a fim de buscarmos a melhoria de nossos rótulos em cada detalhe, desde a qualidade da uva no vinhedo por meio do suporte técnico aos produtores, até o controle de qualidade nas etapas de vinificação, envase e acabamento”, assinala.



Texto : Weverton Galease
Colaboração : Daniela - Departamento de Imprensa da Famiglia Zanlorenzi

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

RETROSPECTIVA 2016 - MICROCONTOS - SILÊNCIO

Microcontos de Gustavo do Carmo
Publicados originalmente em 11 de abril de 2016


Minuto 
Pediu um minuto para sua amada. Ela lhe deu uma vida inteira de silêncio. 


Música francesa
Parecia que ia cantar uma música francesa. Mas estava apenas mandando fazer silêncio. 


Nós dois
— Não fico imaginando nós dois só no silêncio da noite e nem às vezes. Imagino a cada minuto. 


Rompimento
Rompeu o Silêncio. Depois o amarrou de volta. 


Greve
Não parava de falar, irritando os outros. Seu silêncio estava em greve.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Emissão conjunta Portugal - Índia

JOÃO PAULO MESQUITA SIMÕES








Com a deslocação do Primeiro-ministro português à Índia para celebração de acordos económicos, os CTT Correios de Portugal, emitiram no passado dia 7 de janeiro em conjunto com os Correios indianos, uma emissão filatélica de cada país, assinalando assim, uma relação de mais de 500 anos entre os povos destes países.

Os selos desta emissão apresentam como tema as danças dos dois países que, embora separadas por heranças culturais diversas, apresentam características semelhantes: a dos Pauliteiros Mirandeses e a Dandiya – ambas consideradas danças guerreiras que utilizavam como adereço paus, simbolizando as espadas ancestrais.

Esta emissão de selos será lançada formalmente em Deli, a 7 de Janeiro, fazendo parte integrante do protocolo associado à vista oficial do primeiro-ministro de Portugal à Índia.

A dança dos Pauliteiros é a mais importante manifestação folclórica da Terra de Miranda, embora o seu alcance vá muito para além do concelho de Miranda do Douro. A sua origem pode estar na antiga dança pírrica grega, posteriormente difundida pelos romanos na região mirandesa. Esta era uma dança usada na educação e preparação militar na qual os intérpretes, alinhados em duas filas, simulavam manobras de ataque e defesa, utilizando paus como armas enquanto se movimentavam ao som de uma flauta.

A dança Dandiya (termo do noroeste da Índia que designa “pau”) foi criada há milhares de anos como uma expressão devocional em honra da deusa-mãe Durga. Nesta dança, os paus decorados e coloridos, dandiyas, representam as espadas da deusa Durga. No decurso da performance, que ainda hoje é efetuada, encena-se a batalha mítica entre a deusa e o demónio-rei Mahishasura.

A emissão é composta por dois selos e uma folha miniatura com os dois selos. O selo dos Pauliteiros de Miranda tem o valor facial de 0,47€ e uma tiragem de 125 000 exemplares, e o selo da Dandiya apresenta o valor facial de 0,80€ e uma tiragem de 105 000 exemplares. A folha miniatura custa 1,27€ e tem uma tiragem limitada a 40 000 exemplares.

As obliterações de primeiro dia tiveram lugar nas Lojas CTT dos Restauradores em Lisboa, Munícipio no Porto, Zarco no Funchal, e Antero de Quental em Ponta Delgada.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

MENSAGEM SUBLIMINAR

                                                         Conto de Weverton Galease

 


  Era um sábado chuvoso, fim de tarde, o sinal do wi-fi parecia desalinhado com o jovem casal, que ficou desconectado do mundo virtual por cerca de uma semana. Ana, sempre curiosa, procurava meter-se nos assuntos de Nando, se ele deixasse qualquer rede social aberta no computador, ela espionava, parecia mais com um detetive alucinado em um pagamento de cinco mil reais por uma espionagem.
  Nando nem imaginava este fato, mas por questão de segurança, fazia o mesmo com Ana, ao espionar o que ela tanto fazia no computador. Anoiteceu e o sinal do wi-fi retornou na residência, Nando mexeu rapidamente em seus e-mail e foi para o banho, enquanto o demorado banho acontecia, Ana colocou seu posto de espiã em ação, e foi à caça virtual.
  Quando uma notificação chegou, ela abriu e leu; - 'Oi amore preciso falar com você' ; no e-mail havia o nome de Lola. Mas, Ana ficou tão pasma que ainda naquele instante, não conseguiu abrir o e-mail e ver do que se tratava, pois isso nunca havia acontecido.
  Ao sair do banho, Nando já notou a face duvidosa de Ana, e perguntou; - 'O que foi?' ; Ana por sua vez apenas disse que havia um e-mail para ele ler, que tinha acabado de chegar. Nando desinteressado, apenas disse que queria ir para cama ver o seriado que iria começar na TV, e a desconfiança aumentou na mulher.
  Para piorar os batimentos cardíacos de Ana, o episódio que passava na TV naquele dia, abordava como tema a traição. Ao fim do episódio, Nando capotou de sono, enquanto Ana revirava na cama e nada de dormir, até que antes de amanhecer o domingo, Nando levantou-se da cama e foi ler o tal e-mail, do qual se tratava de uma vidente chamada Lola, a qual escrevera na mensagem que sua esposa estava lendo tudo o que ele mantinha nas redes sociais, mas Nando não tinha nada a esconder, pois conversava apenas com amigos homens, ele então ignorou aquilo tudo.
  Quando amanhecera o domingo de sol e calor infernal, no café da manhã, como em todos os dias, Ana havia acordada de mal humor, Nando então questionou-a se acreditava em previsões sobre o futuro, próximo ou não, Ana então engasgou-se com o biscoito água e sal e comia com uma margarina leve, e disse que as vezes poderia ser apenas uma coincidência, Nando, mais uma vez cortou o assunto e ignorou o fato. Mas o que ele não sabia mesmo, é que a tal de Lola, era sua esposa, que não era vidente, mas decidiu alertá-lo sobre o que ela mesma estava fazendo, para que ele a ajudasse a procurar um psicólogo, uma vez que ela estava doente de ciume por ele.
  Nando só descobriu o fato um ano mais tarde, quando Ana o pegou em flagrante traindo-a.