segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

MICROCONTOS - VAZIO


Microcontos de Gustavo do Carmo



Piscina
Mergulhado em dívidas, mergulhou na piscina vazia. 


Oficina do Diabo
O Diabo não conseguiu trabalhar na cabeça vazia que encontrou. Estava muito suja.


quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Dia do selo

João Paulo Mesquita Simões






Comemora-se hoje o dia do selo.
O Núcleo Filatélico e Colecionismo de Braga, tem patente desde o dia 29 de novembro e até dia 2 de dezembro, uma exposição alusiva ao tema, numa superfície comercial daquela cidade.
Fica uma imagem de um placard da exposição.


 

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

FALTA DE CRÔNICAS



Minicrônica de Gustavo do Carmo


Cansei de falar da minha vida pessoal. Cansei de falar das minhas deficiências intelectuais. Meu pai já não me cobra mais. Não posso falar da saúde da minha mãe. Se eu reclamo dos amigos que perdi sou dramático. Não tenho segurança moral para falar de política e economia. 

Não tenho mais paciência para fazer propaganda dos livros dos outros, quando ninguém divulga os meus. E fico com medo de tropeçar na língua portuguesa. Sinto que eu estou desaprendendo a escrever. Estou sem motivação. Por isso, não tenho publicado crônicas e nem resenhas.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

500 anos do Correio em Portugal

João Paulo Mesquita Simões






Antes ainda de ser eletrónico já o correio era de todos. O Correio-Mor, nomeado por D. Manuel I, teve como primeira incumbência organizar um serviço postal acessível à generalidade dos cidadãos. A emissão “500 Anos do Correio” está disponível nas Lojas CTT.





Foi a 6 de Novembro de 1520 que o Rei D. Manuel I – de cognome “O Venturoso” - criou em Évora o ofício de Correio-Mor do reino. O 1º Correio-Mor foi Luis Homem, cavaleiro da Casa Real.   Depois dessa data foram marcos fundamentais:
- Desde 1520 e até 1606, a época dos Correio-Mor de nomeação real.
- Em 1606 deu-se a compra do cargo (pela avultada soma de 70,000 cruzados) pela Família Gomes da Mata, aproveitando a necessidade de dinheiro sentida por Filipe II naquele tempo. Foi a primeira “privatização do serviço postal”.
- Em 1797 D. Maria I procede à reincorporação dos serviços outra vez na Coroa.
- Em 1852, durante o reinado de D. Maria II, deu-se a Reforma Postal Portuguesa, segundo o “modelo inglês” de Sir Rowland Hill.
- A 1 de Julho de 1853 começa a circular o 1º selo português.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Igreja Tudo Cultural em Cristo

 Onde foi que o mundo se perdeu? Teria sido as explorações da NASA fora dele, ao qual foi prejudicado? Dois mil anos depois do maior fato da história humana acontecer, parece mais que a bíblia tenha se tornado um simples exemplar de contos e narrativas de uma época em que os atuais não congregam em suas vidas.
 É triste, viver numa sociedade em que tens que agradecer por uma obrigação que deveria ser cumprida imediatamente! Exemplos? Outro dia, parado na beira da faixa de pedestre, tive que começar a caminhar na frente dos carros, para que parassem, quando um parou, a obrigação parecia ser minha, já que imediatamente agradeci o condutor por não ter me atropelado naquele momento. Mas eu que não ficasse esperto nas travessias a seguir.
 Quando foi que tudo se perdeu a mercê do maldito dinheiro? Vemos igrejas de várias denominações e crédulos, dizendo pregar a bíblia para Cristo, quando na verdade, seus condutores estão apenas interessados em lucrar, uma vez que igrejas não são taxadas com impostos.
 Não pagar impostos, teria sido este o desnível de Cristo nas diversas igrejas? Palavras apenas jogadas ao vento, como se não tivessem um significado maior que todos nós juntos. Mas enfim, parece que aquela frase em que li noutro dia pela rede social, 'não espere o julgamento final, pois ele acontece todos os dias', foi conduzida a conduzir nossas vidas, estamos cegos ao nível do que Cristo nos passou, mas o que vale, é montar uma denominação cristã, chamada igreja, e enganar pessoas, para que possamos desfrutar de uma vida da alta, com muito dinheiro no bolso!
 Aqui fica o registro, mas acho que o Gustavo vai querer me processar pela vossa marca na denominação de minha igreja (risos), mas que este desabafo sirva para que pelo menos um leitor, que seja, refletir, e abrir o olho. pois somos escravos do dinheiro, que não temos!

Crônica de Weverton Galease