segunda-feira, 30 de abril de 2018



Crônica de Gustavo do Carmo

Na última crônica que eu publiquei no Tudo Cultural, falei da minha preferência, quando era novo, por mulheres mais velhas para namorar e casar. Com a minha idade avançando, passei a me interessar também pelas mais novas.

O texto foi ilustrado por três atrizes norte-americanas: Patricia McPherson, Cybill Shepherd e Lynda Carter. As belas mulheres não foram escolhidas por acaso. Elas foram as minhas paixões da infância. Como eram (e ainda são) totalmente inacessíveis para mim, são consideradas como meus amores platônicos.

Eu tinha até falado delas em um parágrafo. Mas achei que estava fugindo do assunto e deletei. Então, falo neste texto de agora.
0

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Por Dudu oliva


0

quinta-feira, 26 de abril de 2018

João Paulo Mesquita Simões








Há uns tempos, falei da importância de os jovens não se interessarem pela Filatelia.

No entanto, há umas semanas, quando fui ao Correio enviar uma carta para um filatelista com quem me correspondo, o senhor dos Correios, em conversa comigo, revelou-me que está a começar a haver uma procura por parte de uma camada jovem, de selos temáticos portugueses.

Ora, isto para a Filatelia, é importante.

Volto a frisar que, embora as Novas Tecnologias estejam em voga, e com todos os problemas a nível de circulação de cartas, estes jovens, embora ainda poucos, estão a fazer renascer um hobbie que em Portugal estava em perigo.

Se este Blogue é lido por jovens portugueses, então, colecionem selos. No Brasil, a Filatelia é Ciência!
0

quarta-feira, 25 de abril de 2018

de Miguel Angel (in memoriam)




Os pés velozes da deusa do erro.


Nenhum mortal do mundo pode escapar às artimanhas de Ate, o Erro.

Com carícias fatais, a engenhosa deusa envolve o homem em suas tramas.
0

terça-feira, 24 de abril de 2018



Apenas uma cena de café da manhã de uma linda família no século XXII. Eles comem pães e cereais, bebem suco natural e conversam sobre o que provavelmente vai acontecer no decorrer do dia. Há o pai, a mãe, a filha e o filho. O filho está começando a entrar na adolescência, então está com o fone de ouvido escutando metal com a cara emburrada. Tirando isso, uma linda família em paz.

0

segunda-feira, 23 de abril de 2018



Conto de Gustavo do Carmo

Aproximou-se do homem que era apaixonado por ela, abriu os botões da sua blusa, despiu o sutiã e revelou os seus fartos seios naturais, com aureólas escuras, pois tinha acabado de dar à luz um bebê e ainda estava amamentando. Disse:

— Vou mostrar a você o que tanto desejava.
0

sábado, 21 de abril de 2018

Por Dudu oliva


0

quinta-feira, 19 de abril de 2018

 Imagem retirada de http://www.pportodosmuseus.pt/2017/11/07/memorias-e-vivencias-do-caminho-de-ferro-reunidas-em-livro/

João Paulo Mesquita Simões


Esta edição, que posteriormente terá também uma versão em inglês, foi coordenada por Judith Borges. A autoria dos textos é de cerca de 75 ferroviários de várias empresas e que contribuíram com os seus testemunhos e memórias autobiográficas. As suas experiências, sentimentos e conhecimentos passam através destes textos e mostram-nos o vasto universo da Ferrovia.

Com uma tiragem limitada a 4700 exemplares numerados, contém 4 selos e 1 bloco da emissão filatélica 1856 Início do Caminho-de-Ferro em Portugal, de 2006, com o valor de €4,95


Ficha Técnica
Coordenadora: Judith Borges
Edição:  Clube do Colecionador dos Correios
Design:  Sofia Martins / Folk Design
Formato:  24,5 X 24,5 cm
Tiragem: 4700
Nº de Páginas: 276
ISBN: 978-972-8968-88-5

In: http://www.ctt.pt/femce/sku.jspx?shopCode=LOJV&itemCode=20173819599

Para os amadores e colecionadores desta temática, este livro terá todo o interesse para acompanhar a evolução do Caminho de Ferro em Portugal, as vivências dos ferroviários, e um pouco das histórias das nossas gentes. 

Livro que enriquece a nossa História nacional e internacional.

0

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Cena do filme Beleza Americana (1999)


de Miguel Angel


Uma poça de água se formara aos pés de Angélica e Garcia advertiu-a do perigo de apanhar um resfriado e lhe sugere tomar providências. Assentindo, ela subiu ao cômodo e Garcia se incumbiu de atiçar o fogo; passados uns minutos, ele a viu descendo, calçando chinelos atoalhados e coberta com uma manta; parecia ter esquecido sua recente revolta, mas seu nervoso sorriso exteriorizava um sentimento insondável para Garcia; as roupas molhadas que levava nos braços foram espalhadas perto do fogão; Angélica terminou de preparar o café e logo a bebida os confortou.
0

terça-feira, 17 de abril de 2018



“Eu acho que isso não vai dar certo.”

0

segunda-feira, 16 de abril de 2018



Conto de Gustavo Carmo
Publicado originalmente em 2014


Paladiane Álgebra é filha única de um químico com uma professora de matemática. Cresceu entre átomos, tabelas periódicas, progressões aritméticas e geométricas, equações, geometrias e fórmulas por todos os lados. O próprio primeiro nome é uma derivação de Paládio, nome de um metal branco presente na tabela periódica, que forma o grupo da Platina, e que foi batizado em homenagem à Pallas, deusa da sabedoria na mitologia grega. Por isso foi escolhido pelo pai, Apolo. O segundo foi imposição da mãe, Norma. 

0

sábado, 14 de abril de 2018

dudu oliva



0

quinta-feira, 12 de abril de 2018


João Paulo Mesquita Simões


Há cem anos, Portugal travava uma das mais duras batalhas da I Grande Guerra: a Batalha de La Lys.

Para assinalar a efeméride, os CTT - Correios de Portugal, lançam no passado dia nove a público, uma emissão comemorativa constituída por um bloco e um selo.
0

quarta-feira, 11 de abril de 2018


de Miguel Angel


Naquela mesma noite, Angélica foi invadida por pesadelo que a fez chorar e gritar de angústia:

0

terça-feira, 10 de abril de 2018



“A gente tá quase chegando, .”

0

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Microcontos de Gustavo do Carmo



Quatro pedras na mão 
— Não precisava vir com quatro pedras na mão. Disse ele, com o rosto ensanguentado e inchado, quase inconsciente, após ter sido atingido pelas quatro pedras pela ex-mulher.


Quatro pedras na mão II
Ele fez um agrado. Ela veio com quatro pedras na mão, deixadas carinhosamente na mesa para abraçá-lo agradecida.
0

quinta-feira, 5 de abril de 2018

João Paulo Mesquita Simões









Fui ao posto do Correio aqui há dias, para enviar uma carta com selos para a Índia.

Em conversa com o senhor da Filatelia, perguntei-lhe se havia jovens a colecionar selos.

A resposta foi surpreendente! Num universo bastante grande, onde a maior parte são colecionadores com idades a partir dos cinquenta anos, há, ainda, uma camada bastante jovem a colcionar selos temáticos.

Da análise que fizemos, concluímos que os jovens não colecionam só as séries nacionais que vão saindo, mas também variadas temáticas, e representam um universo interessante numa sociedade altamente tecnológica.

Por minha parte, e como filatelista, fico contente ao saber destas notícias, pois é sinal que a filatelia perdura, embora as TIC se tenham sobreposto a muitos dos nossos hobbies.
0

quarta-feira, 4 de abril de 2018




de Miguel Angel


O ódio contido, a bebida, a vingança jurada e o repuxar das cicatrizes dos açoites, o empurraram porta afora e dando um pulo, gritou:

- Filho da puta! – atirou duas vezes sem acertar o oponente. Edimilson virou-se, gritou – Cala a boca, desgraçado! – e disparou: a bala atravessou o cangote de Carlos que soltou a arma, para levar as mãos à ferida e apertar as cordoveias ansiando deter o sangue que esguichava e, tossindo de sufoco, caiu, vomitando vida em estertor.

0

terça-feira, 3 de abril de 2018



“Eu estava na limpeza de zumbis nos anos 2000, sabe?”, eu disse para o alienígena gordinho e meio gosmento que havia me perguntado como que eu acabei em uma na cela de uma nave, prestes a ser condenado a viver em um planeta árido desabitado, com ele e mais outro alienígena magricelo que estava sempre sorrindo.

0

segunda-feira, 2 de abril de 2018



Conto de Gustavo do Carmo

Era tão tímido que irritava. Timóteo era tão retraído que parecia um autista. O acanhamento começou na fase final da infância, motivada pela superproteção da mãe. Acabou se prolongando na adolescência, chegando à idade adulta e se mantendo aos 36 anos.

Formou-se em comunicação social, jornalismo e publicidade. Logicamente nunca conseguiu emprego. Criou barreiras por causa dos seus medos. Desenvolveu fantasmas para justificar os seus preconceitos. Também tinha pavor de academias de ginástica e boates.
0

Arquivo do blog