segunda-feira, 30 de outubro de 2017

HORÁRIO DE VERÃO, SIM!



Crônica de Gustavo do Carmo

No último dia 15 teve início mais um Horário de Verão. O adiantamento do relógio em uma hora, de outubro a fevereiro, ocorre no Brasil, ininterruptamente, desde 1985, com o pretexto de economizar energia nas horas de pico durante o verão.

Acontece que, pela primeira vez, em 32 anos, o horário especial anual foi ameaçado de não ser adotado. O Operador Nacional do Sistema (ONS) concluiu que o uso de aparelhos ventiladores e de ar condicionado anula a economia proporcionada por mais luz natural nos horários de pico (das 18 às 22 horas) e pediu que o presidente da República, Michel Temer, autorizasse o cancelamento.

O presidente não autorizou e o Horário de Verão foi mantido. No ano que vem deve ocorrer uma consulta popular para saber se o povo deseja ou não acabar com o horário adiantado. Pressionado por denúncias de corrupção e pela baixa popularidade, Temer não quis criar mais atrito com a sociedade.
Mas se dependesse de um grupo que aparenta ser maioria, iria acabar. A turma do contra se incomoda com a hora perdida e gosta de jogar na cara de quem não trabalha que acorda para pegar no batente no escuro. Como se fosse o ano todo. E eu sou sempre minoria. Adoro o Horário de Verão. E não é porque estou desempregado.

Já acordei cedo para ir à escola, já estudei à noite e nunca passei mal gravemente por causa de uma hora perdida. E mesmo se eu trabalhasse e acordasse cedo continuaria adorando, porque além de poder sair do trabalho ainda com sol, o céu clareia mais cedo, nesses quatro meses, por volta das seis da manhã. 

Dando um exemplo mais real, que eu já vivi, adorava sair do curso de inglês ou da pós-graduação com o céu ainda claro. Nas minhas férias de final de ano, quando era criança, dava para passear à noite com os meus pais. Atualmente, dá para levar a minha mãe idosa à missa das seis da tarde, pois, durante a maior parte do ano, só a levo nas missas da manhã. E nesses tempos de extrema violência no Brasil (e não só no Rio) dá mais segurança. Sem falar no aumento do turismo.

E são esses fatores (turismo e segurança, claro) que deveriam ser usados como justificativa para manter o Horário de Verão. Não focar na duvidosa economia de energia. Com certeza, a turma do contra vai dizer que também não há melhora do turismo e da segurança porque a violência desenfreada acontece até à luz do dia.

Usado em diversos países, por que o Brasil tem que ficar na contramão? Quando a Europa e os Estados Unidos começarem a cortar o Horário de Verão, talvez eu aceite o seu fim. Posso estar sendo infantil com os meus argumentos mas, se eu mandasse no país, o Horário de Verão continuaria para sempre (só durante os quatro meses, evidente). E se alguém reclamar, mandaria adiantar o relógio em duas horas. 

Nenhum comentário:

Arquivo do blog