terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Na manhã em que os aliens vieram


Na manhã em que os aliens vieram, – surpreendentemente, depois de vários anos acordando ao meio-dia – eu havia acordado cedo.


Era uma manhã de sexta-feira. Eu tinha uma festa de aniversário para ir. Não queria ir, mas sabe como é, família, essas coisas que nos acompanham durante nossas vidas e por mais que tentamos nos desvencilhar, acabamos caindo em alguma das armadilhas e quando você vê, está numa festa em que não conhece um quarto dos convidados e o garçom com as cervejas demora a chegar na sua mesa. Acordei cedo, mas permaneci um pouco na cama. Era umas seis da manhã. Os primeiros raios de sol, fraquinhos, entravam pela veneziana, clareando o quarto; mas não como nas centenas de dias anteriores, quando acordava suado com o quarto amarelado da luz do meio-dia. Peguei o celular e vi a hora. Apesar de estar desperto, cobri minha cabeça e tentei dormir novamente, mas a coberta deixou o ar abafado, então a joguei para fora da cama com raiva e sai dali. Calcei os chinelos e andei em direção ao banheiro. Depois de mijar me olhei no espelho. A barba por fazer. Meu rosto estava mais magro do que era. As olheiras fundas me davam um aspecto de doente. Talvez eu devesse parar de beber antes de dormir. Coloquei pasta na escova de dente e fiz o processo rotineiro por menos de trinta segundos. Tenho certeza que nunca fiz o mínimo necessário para manter meus dentes saudáveis. Entrei na cozinha e coloquei o resto do café da noite anterior numa caneca meio limpa e a coloquei para esquentar no microondas. Ao pegar o café, e tomar um gole, fui andando até a sala e liguei a televisão. Foi então que vi as imagens de três naves gigantescas no meio do oceano Atlântico que apareciam para o mundo todo através das mais diversas telas. Meu primeiro pensamento foi de que era a reprise de um filme meia boca de ficção-científica. Peguei o controle para verificar qual era o canal. Talvez eu já tivesse visto esse filme. Mas era um jornal matinal. Estavam ali, paradas, flutuando, no meio do oceano, três naves extraterrestres. As imagens vinham de helicópteros que sobrevoavam o local. O âncora especulava e fazia perguntas ao repórter enviado. Este não sabia muito bem o que responder e dava respostas um tanto vagas. Os helicópteros, de várias emissoras, não ousaram chegar mais de quinhentos metros perto das naves. Durante todo o primeiro dia que os aliens chegaram ao nosso planeta não houve um único movimento por parte delas. Ficaram ali, há poucos metros do chão, flutuando, paradas.

No segundo dia começou a tomada da Terra.


Conto de Lucas Beça

Nenhum comentário:

Arquivo do blog