segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016



Conto de Gustavo do Carmo



Nasceu às oito e onze da manhã do dia 29 de fevereiro de 1976. Seu aniversário seria comemorado no dia 28 de fevereiro ou primeiro de março? Ou só faria aniversário nos anos bissextos? Esta foi a segunda dúvida que perseguiu Arnaldo Augusto na hora do nascimento do seu primeiro filho. A primeira, que durou até a hora do parto, já foi resolvida: nasceu um menino. A terceira foi escolher o nome da criança. Durante a gravidez, pensou em vários nomes masculinos e femininos: Rafael, Marcos, Ricardo, Roberto, Reynaldo, Ronaldo, Flavia, Luciana, Marcela, Mariana, Daniela... Como nasceu um menino, Arnaldo Augusto optou, pelo menos, em começar o nome com a letra R.

0

domingo, 28 de fevereiro de 2016

Poetas se alimentam
De amores improváveis,
De histórias malucas,
De sonhos,
De ilusões.
Poetas são intensos;
Exagerados!
Dados a amores,
E paixões.
Poetas se usam
Do sofrimento,
Da dor.
Poetas são considerados
Mensageiros do amor
E muitos dizem,
admirados:
"Que talento, que dom"
Mas não sei se viver
atordoado
É assim tão bom
Vivemos com uma mente
borbulhante;
Idéias e delirios nos perseguem
A todo instante.
Vivemos com
O coração na boca,
E a alma solta
nesse mundão...
Somos presas fáceis,
dessa falsa
a Paixão.
Amigos da Insônia,
Companheiros da
Melancolia,
Desfrutamos de raros
momentos
de calmaria.
Em tudo vemos flores
Mas nossas vidas
Não são
só flores...
O preço da inspiração,
Meu caro:
São espinhos
no coração.
*Ana Suely Marques* 30/10/09
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
#AninhaSuely #VamosPoetizarOMundo
0

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Por dudu oliva


Recebi um convite para participar do linkedin e aceitei. Na verdade, não sei se irei participar realmente desta rede social, pois é voltada para contados de empregos e negócios.

Confesso que não me encontrei profissionalmente e trabalho para sobreviver. Enfim, não tenho nada a declarar e nem inventarei um monte de coisas para mostrar o que não sou.

Fiz faculdade de Ciências Sociais, especializações de Jornalismo Cultural e Literatura Hispano-americana. Não me arrependo de cursá-las e se hoje não estou melhor não é pelos cursos que fiz, mas, por mim mesmo. Sabe aquela história de que “ quem faz a escola é o aluno”, concordo cada vez com esta ideia. Escrevi até uma crônica sobre isto: http://cronicas-ideias.blogspot.com.br/2014/11/mais-atitude.html

Hoje em dia, não adianta só cursar uma faculdade, precisa-se de atitude para fazer a diferença e conquistar o mercado. Ficar só reclamando da vida não adiantará nada.

Depois desta revelação, cometi um suicídio virtual nesta rede social e ninguém mais vai querer me adicionar... Ah, também não sei falar inglês! Outro pecado mortal para conseguir uma carreia de sucesso.

 Enfim, sou uma pessoa que escreve, tira foto e faz vídeos! Gosto de brincar de ser artista.

***

OBS: Encerrei minha conta no  linkedin. Sem remorso e a vida que se segue!

OBS: Depois de publicar esta crônica, percebi alguns errinhos. Consertei, mas ainda encontrarei alguns. Aí me perguntam por que não reviso bem antes de publicar. É que sou impulsivo. Quem sabe um dia melhore, tornando-me mais cauteloso. 

0

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

João Paulo Mesquita Simões





Escolhi este pequeno filme, para vos mostrar um verdadeiro filatelista, daqueles que concorrem em exposições mundiais e que obedecem a parâmetros bem rigorosos.
Espero que apreciem, e fiquem com uma ideia mais bem cimentada do que é um Filatelista, do que é a Filatelia, e a informação que ela nos dá.




0

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016


0

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016



Crônica de Gustavo do Carmo


No próximo dia 26 de fevereiro faz vinte anos que eu tive a minha primeira aula na FACHA – Faculdades Hélio Alonso. Eu queria escrever um conto, no qual o protagonista era convidado para uma festa de reencontro da turma após longo tempo e só fez questão de ir para disparar algumas verdades e ressentimentos. 
0

domingo, 21 de fevereiro de 2016


Eu quero ser pra vc
Aquilo que desejo pra mim
Um porto seguro, um colo
Uma companhia certeira
A ultima e a primeira  voz a ouvir
Uma espécie de elixir
De paz e serenidade
Um misto de amizade
Amor e paixão
Quero morar no seu coração
Habitar suas lembranças
Quero constância
Continuidade
Quero amar-te de verdade
Quero mimar-te, quero incentivar-te
A ir cada vez mais além
Quero ser a escolhida
Ser sua própria vida
Quero ser seu amanhã
E também o seu presente
Quero ser simplesmente
O seu pra sempre...
- AninhaSuely #VamosPoetizarOMundo
0

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Por dudu oliva


0

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

João Paulo Mesquita Simões


Os erros na Filatelia Portuguesa, já aqui foram abordados. No entanto, gostaria de fazer uma reanálise ao tema, porque o erro é, na minha opinião, também um tema que podemos colecionar. 

Muito mais caro, pois estes selos são mais valiosos, mas interessante  precisamente por ser raro.

Analisemos o selo de 1940 de Rowland Hill, o inventor do selo postal, mas numa perspetiva científica.

O selo normal tem, conforme se vê na imagem, o seu valor facial como qualquer selo postal. 

Agora vejamos o mesmo selo com erro:

É uma prova, mas como podem reparar, o valor facial não está impresso no selo. Desta forma, o seu valor comercial aumenta significativamente.

Deu-se o nome a este erro de "prova sem taxa".



 






Selo de 1940 do 1º Centenário do selo postal com a taxa de 15 centavos.



















O mesmo selo, prova sem taxa.

Na próxima semana mostrarei outros erros da nossa Filatelia.
0

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016


Microcontos de Gustavo do Carmo



Parado
Ficou parado no tempo, que não parou para esperá-lo. Seguiu seu caminho e o deixou para trás. 


Blefe
Estava sendo muito pressionado pelo pai a trabalhar no bazar da família. Anunciou que um conto que escreveu seria filmado por um cineasta francês. Era um blefe para ganhar tempo. 
0

domingo, 14 de fevereiro de 2016


0


Eu ando na corda bamba
Tentando manter o equilíbrio
Não venha me dar lição de moral
Porquê você não sabe o que acontece comigo
Cada um tem seus próprios fantasmas
Não me peça pra ter calma
Pois só eu sei
O que ainda me mantém aqui
Nem tudo é questão de escolha
Quando a pessoa
Vai acumulando tanta coisa
Sim eu deveria levar essas coisas na boa
Eu não deveria estourar a toa
Sim eu sei  de tudo isso
E ouvir acusações não vai me ajudar
Só vai pertubar
Esse falso equilíbrio que venho
Tentando manter...
Não me leve a mal
Mas se vc mexer com quem está
Travando uma luta interna diária
Claro que vai sobrar bala
Pra você
#VamosPoetizarOMundo #Bipolar #VamosFalarSobreIsso
0

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Por Dudu Oliva




0

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

João Paulo Mesquita Simões







Bloco da ilha de Jersey sobre a construção naval medieval
Tema: Barcos
 
 
Série do Butão sobre Transportes Ferroviários
Tema: Combóios


Bloco da Índia com dois selos sobre faróis
Tema: Faróis


Série da Malásia sobre pontes
Tema: Arquitetura
 
 
 
Emissão conjunta Portugal-Irão
Tema: Fauna ou Aves



Eis alguns exemplos de temáticas que podemos construir com os nossos selos.
Juntando séries completas de uma destas ou de outras temáticas, fazemos álbuns maravilhosos, decorados ao gosto de cada um. 
Nunca esquecer e mencionar na coleção temática, a origem da série, o ano, dimensões dos selos e picotado. Estes pormenores são importantes, além de outros, pois identificam o item, valorizando-o e dando conhecimento da sua origem.
Se acaso coloquem selos circulados nas vossas temáticas, atenção à data do carimbo. Por vezes o carimbo dá-nos informações importantíssimas para melhor conhecimento do tema. Exemplo: qual a estação expeditora e qual a estação recetora, data, hora.
Por fim, uma investigação ao tema, enriquece a coleção desde que não seja exaustiva.
 





 
 
0

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016



Conto de Gustavo do Carmo

Seu brilho no carnaval passado foi memorável. Passista não conta pontos para os jurados, mas Jojô da Comunidade parece ter sido fundamental para a conquista do título inédito da Unidos da Comunidade Tijucana.

No ano seguinte, porém, a sua boa forma foi ofuscada por algumas gorduras e celulites localizadas no culote e na barriga. Joveleine Clementina, seu nome de batismo, em homenagem a duas grandes sambistas do passado (Jovelina Pérola Negra e Clementina de Jesus), foi chamada pelo presidente da escola para ser comunicada de que não seria mais a rainha da bateria da Unidos da Comunidade Tijucana.
0

Enquanto ela brinca de conquistar
ele está louco para a agarrar...
Ele a quer pra vir inteira
E pra ela qualquer paixão é verdadeira
Ele sonha em ser seu marido
Enquanto ela se diverte aqui comigo
E ele nem imagina,
que é apenas mais um em sua vida
Ela nunca lhe prometeu nada...
Inclusive disse que era enrolada.
Mas ele se fez de desentendido
Aceitou ser um amigo
Só que no fundo tinha uma só intenção
Conquistar-lhe o coração
E louco que é, acredita ser único
Acredita ser amado
Acredita já tê-la conquistado
E ela não percebe a sorte que tem
Ela diz que não quer ninguém
Mas ele a faria feliz
Como eu jamais quis
Por que aqui a história é inversa
Eu estou nessa só para me divertir
Ela iria aonde eu quisesse ir
Eu não quero ir a nenhum lugar...
#AninhaSuely #VamosPoetizarOMundo
0

domingo, 7 de fevereiro de 2016


0

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

"Ser empático é ver o mundo com os olhos do outro e não ver o nosso mundo refletido nos olhos dele."
Carl Rogers






Ao longo da história, ele tenta saber a origem de não mais enxergá-las. Pois é, o enredo pode ser absurdo ou surreal, mas, se observamos bem, isso acontece diariamente e vi acontecer hoje. Quando fui descer do ônibus, os passageiros ( inclusive eu) entramos com pressa.



Entretanto, havia uma senhora que queria saltar da condução. NINGUÉM A PERCEBEU. Outro passageiro lhe acudiu, que bom! Já os outros e eu estávamos imersos em si mesmos.



De repente, comecei a pensar que a consequência da falta de comunicação entre os indivíduos poderá surgir náufragos que vagam por aí e suas ilhas desertas serão seus próprios corpos.






Medo! Preciso ligar urgentemente meu sensor de empatia!!!



0

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016


0

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Por Narcélio Lima

Um sistema literário é constituído do seguinte tripé: obra, do autor e do leitor. Partindo deste tripé, as teorias avançam objetivando a fruição, a interpretação ou a produção das representações literárias.

           No entanto, em meados do século XX, as teorias tradicionais passavam a excluir o papel do leitor na obra, dando-se ênfase ao autor, quando se estudava seu universo, e à obra, quando se estudava seu contexto histórico, linguagem ou estilo. Apesar da sua importância, esse tipo de teoria se estabelecia em detrimento do leitor.

Indo de encontro a essa ideia limitada de estudo, surge a a Estética da Recepção, que propõe a superação do Formalismo. Para Jauss (1967), a obra não está somente nos textos ou somente nas leituras, mas entre os dois. Para ele, tanto o método marxista quanto o método formalista ignoram o envolvimento do leitor. O fato é que, pelos métodos tradicionais, cabia ao leitor uma forma exclusiva e limitada de tentar “entender o que o autor quis dizer”.

O surgimento da Estética da Recepção acontece na era pós-estruturalista (segunda metade do século XX), quando um grupo de críticos da Universidade de Konstanz, na Alemanha, começou a divulgar suas teses na revista Poetik und Hermeneutik, a partir de 1964. Hans-Georg Gadamer esboça uma nova feição para a hermenêutica, com Wahrheit und Methode (1960). Assim, uma justaposição revela que as questões do sentido e da interpretação textual dos modelos hermenêuticos são tão indispensáveis quanto as questões linguísticas e formais. 

Na Estética da Recepção fica evidenciado o papel genuíno do leitor na construção do sentido da interpretação e na leitura crítica das obras. Sobretudo, fica em evidência a ilimitada capacidade de atualização das obras literárias na medida em que se modifica o seus leitores, apresentando vários horizontes de expectativas. Mesmo em lida em diferentes épocas, a obra pode apresentar diversos sentidos, ou pode apresentar novas interpretações a partir de novas leituras.

Quando se menciona algo referente a recepção, é importante ressaltar a contribuição que alguns autores fazem para que a entrada do leitor no universo de sua obra. Por exemplo, no texto Desenredo, de Guimarães Rosa, o autor trabalha o texto escrito e a oralidade. O autor já inicia dizendo: “Do narrador aos seus ouvintes”, como quem convida o leitor para ouvir a sua historia. Neste caso, o leitor pode também ser chamado de narratário, na estética da recepção do conto literário.

Conclui-se, portanto, que a Estética da Recepção é fundamental para que o leitor seja apresentado como ocupante fundamental em uma obra literária. Ele apresenta uma bagagem cultural que dará margem a outras interpretações, e não apenas aquela que é apresentada pelo autor.


Referências:
COQUEIRO, Wilma. GEHRING, Adriele. SEGATO. “Mariara. Estética da recepção: Uma proposta de leitura da condição feminina na sociedade atual” Disponível em: http://revistaliter.dominiotemporario.com/doc/RL_11_Estetica_da_recepcao_uma_proposta_de_leitura_da_condicao_feminina_na_sociedade_atual.pdf  Acessado em 21 de out. de 2014.
LIMA, Luiz Costa. A Literatura e o Leitor - Textos de Estética da Recepção (Org.).
São Paulo: Paz e Terra, 1981.  
ROSA, João Guimarães. Tutaméia – Terceiras Estórias. 8ª ed. Rio de Janeiro: Editora


Nova Fronteira, 2001.
0



Crônica de Gustavo do Carmo

Você coloca um ponto final no seu sonhado romance e... aí depende. Se você for famoso ou amigo íntimo, parente ou cônjugue de algum editor de editora, a obra já estará nas livrarias em no máximo um mês. Mas se for um mero desconhecido e estiver querendo publicar o seu primeiro livro vai ter que esperar muito mais tempo... para ter uma resposta. E provavelmente negativa.
0

Arquivo do blog