segunda-feira, 15 de outubro de 2018

FAMA, PODER E SUCESSO



Por Gustavo do Carmo


Já fui fã. Fã ardoroso de uma jornalista. Criei uma comunidade no Orkut para ela. Hoje não sou mais. Dei a comunidade para outra pessoa. O Orkut também não existe mais. A jornalista de quem eu era fã não se importou com a minha idolatria. Me tratou apenas como mais um fã. Como se na sua posição tivesse o direito de ter vários. Não era conhecida nacionalmente na época e peregrinava por emissoras com contratos temporários. Se fosse para ser visto de cima do salto, preferia idolatrar a Fátima Bernardes, que tem muito mais talento e experiência. Há quase dez anos ela foi transferida para São Paulo, capital informal do país e do salto alto. E foi mais um motivo para deixar de ser fã. Não sou fã de traidoras, que trocam o Rio por São Paulo.

Eu achava que essa jornalista de quem eu fui fã seria mais simpática. Quando a convidei para o lançamento do meu primeiro livro, ela ignorou. Não foi (o que era esperado), mas não mandou nem uma mensagem me cumprimentando ou mesmo avisar que não poderia ir. Tudo bem. Só fiquei magoado quando ela não me aceitou no MSN.

Aí vai aparecer um espírito-de-porco para dizer: “Ah! Tá querendo o quê? Casar com ela? Cai na real, cara! Ela é casada! E além do mais, ela nem te conhece pra te aceitar no MSN”. Eu sei que ela é casada! E muito bem casada! Aliás, casou-se recentemente com um coroa, aparentemente rico. Essa não volta mais a morar no Rio.


No entanto, uma amizade não faz mal a ninguém. E eu não sou um Zé Ninguém. Sou jornalista e escritor. E ela também não é estrela para se achar superior aos outros. Pois, como jornalista, ela também tem a obrigação de procurar contatos com desconhecidos. Bem, não posso mais me imaginar casado com ela. Seu estilo de vida é muito superior ao meu.

Aliás, se eu disser que a minha idolatria nunca teve nenhum interesse estaria mentindo. Claro que eu tinha um pequeno interesse sentimental e profissional, sim. Se eu conseguisse o que queria seria lucro, mas não foi o fim do mundo quando eu descobri que ela não era nada daquilo do que eu imaginava sobre ela: aquela jornalista de interior, solteira, humilde e simpática como parecia nos tempos em que trabalhava na afiliada de uma grande emissora. Ela já se achava a diva que tenta ser até hoje. O que poderia ser uma amizade se transformou num amor platônico, mas deixa pra lá.

Da mesma afiliada fluminense onde eu a descobri, tive uma rusga com outra jornalista, que havia marcado uma entrevista comigo para eu homenagear a emissora, mas deu o bolo. Não deu nenhuma satisfação. E ainda achou ruim quando eu liguei insistentemente para cobrar uma explicação. Aliás, gente mal intencionada se aproveitou da minha ingenuidade para me incentivar a exigir uma satisfação. Fiquei sabendo, por outro espírito-de-porco, que ela me chamou de estrela, se fez de vítima ao se sentir ameaçada e se mudou para outra cidade.

A vaidade dos jornalistas não é exclusiva das mulheres, não. Tive um colega na faculdade que se tornou muito meu amigo. Ele começou a estagiar em uma rádio, mas manteve a humildade. Poucos anos depois, mais para o fim do curso, entrou numa extinta agência de notícias. Continuou solícito e acessível, mas mudou da água para o vinho (caro e inacessível) no último período da faculdade. Tudo bem que metade da sua arrogância foi influência de uma namorada igualmente arrogante e totalmente antipática. Porém, foi só a tal agência ser vendida para um famoso jornal, que ele vestiu a camisa do estrelismo e passou a só me procurar quando lhe conviesse ou eu lhe procurava. Como era sempre eu quem procurava, desisti e já não considero esse cara como meu amigo. A não ser que calce as sandálias da humildade e me procure. Até quebrei a minha promessa, meses atrás, e o procurei recentemente para lhe fazer uma pergunta. Como ele não sabia e ia contar aos meus desafetos sobre o meu problema, dispensei o seu favor. Não procurou saber se eu resolvi. 


Agora vivo outro sentimento de amizade platônica por outra jornalista. Sei que preciso esquecê-la, mas não consigo. Fiz até fazendo tratamento psicológico por causa dela. E não adiantou nada. Sei que ela é noiva. Só queria amizade. Se tivesse algo a mais já seria lucro. Mas preciso esquecê-la. Às vezes, me dá vontade de bater a cabeça em algum lugar e ficar desmemoriado igual a minha mãe (outro motivo que me fez ficar tão ansioso e deprimido). 


Aparentemente, seria mais fácil para eu conseguir a amizade dela, pois fez uma pós-graduação comigo e - quando eu mal a conhecia nas aulas - veio me pedir para adicioná-la num grupo de trabalho. Anos depois, esqueceu-se do favor que eu lhe fiz. Talvez ela tenha feito alguma coisa como pagamento que eu não lembro e deve estar achando que não me deve mais nada. Numa véspera do meu aniversário, me mandou mensagem e disse que se lembrava de mim da pós. E só isso. Fui fazer um comentário sobre um livro na sua postagem na semana seguinte e ela me bloqueou no Instagram. Ela está se mostrando mais esnobe e prepotente que aquela jornalista a qual me referi no início do texto, que hoje mora em São Paulo, teve até um pequeno AVC e hoje é casada com o coroa rico. E não é que a minha ex-colega de pós também abandonou o Rio? Só que foi para Brasília.

Já vi conselhos de que é preciso evitar gente pobre e sem cultura para crescer na vida. Também fiquei sabendo que vencedores devem evitar perdedores. Será que é por isso que as pessoas que sobem de posto e ficam famosas calçam aquele salto plataforma de um metro para esnobar os mais simples? Com certeza, sim! 

Não escrevi esta crônica para responder ou procurar resposta sobre como a fama, o poder e o sucesso mudam o caráter do ser humano que vira jornalista. Isso cabe aos psicólogos, filósofos e demais estudiosos. Queria mesmo era desabafar algumas verdades e tentar vestir a carapuça em algumas pessoas.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog