segunda-feira, 12 de junho de 2017

O EX



Conto de Gustavo do Carmo

Era a primeira que reencontrava o ex-marido após a assinatura do divórcio. Foram casados por apenas dois anos, mas namoraram durante quase vinte, quando Andrea e Fábio ainda estavam na adolescência. Agora Andrea é noiva de Cornélio, um jornalista que conseguiu o seu primeiro emprego de repórter cultural aos 35 anos, indicado por um ex-colega de faculdade.

Cornélio e Andrea conheceram-se na revista onde ele trabalhava como repórter. Ela, fotógrafa. Começaram a namorar três meses depois dele chegar à revista. No ano seguinte já marcaram o casamento.

Mesmo trabalhando como jornalista, Cornélio era muito tímido. Só falava o necessário com os colegas e o diretor da revista, amigo do seu ex-colega. Entrevistava as personalidades culturais com muito respeito. Com muita educação. Até exagerados.

Com essas duas qualidades conquistou Andrea, que investiu no novo namorado, um ano depois de se separar de Fábio. Aliás, ela era a única amiga dele na redação da revista. Cornélio tinha esse nome feio, mas possuía uma beleza simples. Era um pouco barrigudo, moreno e de estatura média.  Andrea também tinha uma beleza normal. Loura, alta, seios pequenos e quadril um pouco largo.

As famílias dos dois jornalistas já se conheceram. O carinho e a boa receptividade eram recíprocos nos dois lados. Cornélio adorava a lasanha da sogra e Andrea o estrogonofe da mãe do noivo. O namoro dos dois, porém, não era aceito na redação. As amigas de Andréa tentavam dissuadi-la a terminar o namoro com Cornélio porque o achavam muito esquisito e ela merecia um homem melhor, como Fábio.

Cornélio sempre cobria peças de teatro, lançamentos de livros, vernissages de arte, pré-estreias de filmes, shows musicais, entre outras manifestações culturais. Andrea era fotógrafa, mas não da editoria dele. Atuava no Cotidiano. Mesmo assim, sempre o acompanhava nesses eventos, como sua noiva.

E foi numa premiação de teatro que ela reencontrou Fábio, dois anos depois do divórcio. Haviam perdido contato. Ele estava sozinho. Grisalho, alto, forte. Belo e elegante com um terno Armani. Era mais seguro e decidido que Cornélio. E ainda era rico. Empresário, dirigia a companhia de telecomunicações que patrocinava o evento.

Se soubesse, Cornélio jamais teria levado a noiva com ele. Era ciumento, embora não demonstrasse.  Sabia quem ele era pelas fotos dele que viu no seu celular. Percebeu que Andrea ficou tocada pelo reencontro com o ex-marido, com quem não falou durante o evento.

Ficou abobalhada, derramou champanhe no vestido, dava-lhe respostas fora do contexto das perguntas, entre outras distrações. Um sentimento de nostalgia sexual e romântica tomou conta de Andrea.

A partir de então, Cornélio passou o evento todo em silêncio, sem puxar um único assunto com a noiva. Só abriu a boca para entrevistar as celebridades da premiação. Andrea notou que o noivo percebeu a sua saudade pelo ex. Tentou puxar assunto sobre os bastidores da festa. Ele fez apenas comentários secos.

Somente em casa, Cornélio abriu o jogo:

— Andrea, notei que você ficou estranha depois que reencontrou o seu ex.
— Não, Nélio. Imagina. Esquivou-se, com medo do noivo agredi-la por uma crise de ciúmes.
— Fala a verdade, Andrea! Gritou. — Eu não vou te bater, eu não vou te xingar. Você quer voltar pra ele?

Depois de quase um minuto de silêncio e suspiros, Andrea decidiu.

— Quero sim, amor! Eu estou morrendo de saudades. O Fábio é mais rico, bonito e seguro que você. Nós dois trabalhamos e ganhamos pouco na revista. Não quero me casar e trabalhar apenas para complementar a nossa renda. Quero trabalhar por prazer. Além disso, lá na redação ninguém te aceita como meu noivo. Todo mundo quer que eu volte pra ele. Desculpa te jogar essa verdade na sua cara, Fábio. Eu te amo, mas como um amigo, um irmão.

— OK. Eu já esperava isso. Acabou o noivado, então. Respondeu Cornélio, antes de deixar a casa que já havia alugado para morar com Andrea.

Rescindiu o contrato do aluguel, pediu demissão da revista porque não tinha mais clima para se encontrar com Andrea e voltou a morar com os pais idosos. Andrea procurou Fábio através dos seus contatos como jornalista. Reencontrou-o. Viajou com ele. Recasaram-se, tiveram dois filhos e viveram felizes até ela encontrar um amante, mais forte e bonito que Cornélio, com quem nunca mais teve contato. Muito menos depois que se tornou uma fotógrafa premiada e de fama mundial. 

Nenhum comentário:

Arquivo do blog