segunda-feira, 28 de setembro de 2015


Por Gustavo do Carmo

Por que pessoas talentosas e competentes são tão arrogantes? Não escrevo este texto para tentar responder a esta pergunta, mas para expor os fatos e desabafar as minhas experiências com as decepções que eu tive com esses talentos.

Todas as pessoas que fazem um ótimo trabalho, que eu tenho o maior prazer de ler, assistir ou prestigiar, são arrogantes quando eu as procuro para dar uma dica ou uma informação, pedir algum favor ou até para elogiar. Parece até que querem que eu puxe o saco sempre.

1

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Por dudu oliva





0

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

João Paulo Mesquita Simões


S. Teresa de Jesus – fundadora dos Padres e Madres Carmelitas, a mística doutora da Igreja – é pouco conhecida em Portugal: bem conhecida e venerada é a sua filha espiritual, a carmelita de Lisieux, Teresa do Menino Jesus, igualmente doutora da Igreja. A Madre fundadora é familiar aos que vivem uma vida espiritual séria: é para eles fonte inspiradora fundamental. Nasceu em Ávila no dia 28 de março de 1515. Portanto, está a cumprir o quingentésimo aniversário, pois continua viva na memória dos que se acolhem ao seu magistério do espírito e de humanidade.
Humana para com os humanos, o relacionamento com Jesus era também muito humano. Dava grande relevo à Humanidade de Jesus, que, para ela, era a sua história evangélica, paixão, ações e palavras, historicamente realizado no corpo. Valorizava assim a essência do cristianismo, que é o mistério da Incarnação de Deus no ser humano. O colóquio amigo com Jesus era o traço relevante da sua oração.
Uma forma de lhe darmos os parabéns neste seu dia de anos é reparar na sua proposta de oração. Para ela, era comunicação amiga com Deus. Assim a define no Livro da Vida 8,5: «Não é outra coisa a oração mental senão relacionar-se em amizade, estando muitas vezes e a sós com quem sabemos que nos ama». Compreender a oração como amizade facilita o seu exercício, especialmente aos jovens, aos que vão descobrindo a força humana que a oração dá.

Uma nota essencial da amizade é a de não ser interesseira, valor de câmbio, relação económica de «dou para que dês». A relação amigável só pode existir na desproporção, porque estimo o amigo mais do que o meu eu. A amizade é a forma que o amor adota nas relações humanas: é amor correspondido.

Ora, a oração de S. Teresa enquanto amizade é comunicação gratuita, excluindo a lógica do «custo-benefício». Tem a marca da amizade e da graça. De facto, «para aproveitar muito neste caminho [da oração]…, não se trata de pensar muito, mas de amar muito» (4M 1,7). «Confio na misericórdia de Deus que não fica sem recompensa quem O tomou por amigo» (Livro da Vida 8,5). «Sua Majestade nunca se cansa de dar…» (Caminho de Perfeição 32,12).

Porque a amizade requer frequência, a oração que o é de veras frequenta a Pessoa amada. A frequência alimenta a oração e dá-lhe verdade. Como a amizade, não se coaduna com a pouca comunicação. E como a amizade, tende a tornar iguais os amigos, mantendo a identidade de cada um: «Oh, Senhor meu, que bom amigo sois!» (Livro da Vida 8,6).

A oração de Teresa de Jesus não brotou do laboratório da intelectual mas do oratório da crente que buscava e invocava Deus. Como a amizade, põe o amor a circular, numa forte corrente afetiva, que contagia a vida. Como a amizade é um estilo de vida, também a oração de Teresa o é. Não é um exercício ocasional, como não se é amigo de vez em quando. É vida e não só um certo tempo ao lado da vida. É no afazer e no acontecer de cada dia que se tece a história de amizade com Deus. A oração é vida diante de Deus.

Teresa transpunha para a oração o relacionamento afável que tinha com as pessoas. Com a arte de facilmente fazer amigos, considera a oração uma amizade superior, que sobrepuja as outras amizades e lhes dá o melhor sentido. A oração é amiga de fazer amigos. Na oração «quem fala é o amor» (Livro da Vida 34,8).

Assim orando, Teresa estava em sintonia com a oração bíblica. Ao descrever a comunicação de Moisés com Deus, o livro dos Números (33,7-11) diz que «o Senhor falava com Moisés cara a cara, como fala uma pessoa com um amigo».

Para a fé bíblica, falar a Deus em diálogo amigo tem a ver com o ser de Deus e com a sua imagem. Mas também tem a ver com a essência do ser humano e com as suas relações fundadoras. Sendo experiência do divino, a oração também é experiência do mais fundo do humano, que ultrapassa o que dele dizem as ciências. Como o orante bíblico, Teresa, ao rezar, embarcava num itinerário progressivo de melhor aceitação e consciência de si própria e de conveniente autoestima (no livro Moradas). Via-se como um ser para o divino, um ser habitado por uma Presença amiga, um ser que só se realiza na relação com Deus. Entendia-se, não como um ser fechado nos limites do humano, mas como aberta à transcendência. A linguagem da oração, realizando uma ligação com Deus, desvelava a verdade da pessoa a si própria; por ela – diz Teresa – «sabemos quem somos» (1M 1,2). Rezar a Deus é uma forma de ser humano, de se experimentar profundamente, de se perceber genuinamente e de se exprimir superiormente.

Será por isso que Teresa de Jesus era tão humana, a ponto de as pessoas que falavam com ela se sentirem tão confortáveis e confortadas?


Armindo dos Santos Vaz

In: http://www.teresadejesus.carmelitas.pt/noticias/noticias_view.php?cod_noticia=615  

Emissão dos selos e primeiro dia de circulação em 11 de setembro de 2015.


0

segunda-feira, 21 de setembro de 2015



Conto de Gustavo do Carmo


Zuleide só cortava o cabelo com o Fred. Só ele sabia aparar as suas pontas e não deixar as madeixas armarem. Somente o Fred podia pintar, alisar e fazer a escova. Além de tudo, era o seu único confidente. Só aceitava conselhos pessoais dele.

0

domingo, 20 de setembro de 2015



O Tudo Cultural tem o prazer de anunciar a sua nova colaboradora: Aninha Suely, que vai postar seus textos todos os domingos (se não estrear hoje, a partir do próximo). Uma mulher no time desde a saída de Rachel Souza. E será ela mesma quem vai se apresentar: 

"Eu sou a Aninha, tenho 34 aninhos e sou especialista em falar de amor ! Em escrever poemas e contos sobre o tema e em romantizar tudo. Mas no fundo no fundo, não passo de uma poeta que ainda não aprendeu a amar. E nessa de viver entre amores e desamores, a poesia é minha aliada nessa jornada". 

Seja bem-vinda, Aninha! 
0

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

por dud oliva


0

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

João Paulo Mesquita Simões


Os CTT - Correios de Portugal lançaram hoje duas emissões. Uma dedicada a novas etiquetas
comemorativas dos «50 Anos do Programa Nacional de Vacinação», e outra dedicada ao "Mar Português".

É sobre esta última que vou falar hoje.

Debate-se muito hoje, a sustentabilidade do oceano e seu desenvolvimento, sobretudo na exploração e conservação, para que as gerações vindouras possam beneficiar de tão boa riqueza que o mar nos oferece, e que é património de toda a humanidade.

Portugal, país de tradição marítima, não esqueçamos os homens do século XV-XVI que partiram em busca de novas terras, desconhecendo esses imensos oceanos, tem na sua costa, uma riqueza inesgotável.

Se nos voltássemos para o mar, o nosso país, além do pescado que daí retira para consumo próprio e para exportação, aproveita também o sal, o desporto, e o turismo.

Quando era um jovenzinho, lembro-me de ver plataformas petrolíferas ao largo da minha cidade. Foram seladas. Terá Portugal petróleo para vender? Isso seria a nossa maior riqueza e nem precisávamos da UE! Que ninguém tivesse pena de nós!

E tantos outros recursos que poderíamos retirar do mar. A própria água, que depois de devidamente tratada, separaria a água do sal, convertendo a água salgada em doce e o sal para consumo interno e externo.

Esta emissão de hoje, fala-nos precisamente de todos estes aspetos. Mostra os setores económicos que beneficiam com os recursos que o mar dá, o turismo e os desportos náuticos, o setor das pescas, os transportes marítimos, e o setor da energia com a exploração petrolífera e a energia eólica. É emitido um bloco filatélico com um selo de valor facial de €2,00, que é dedicado à ciência, apresentando imagens cedidas por Getty/National Geographic/Brian J. Skerry. O trabalho artístico da emissão é do Atelier B2, e a impressão da Imprensa Nacional - Casa da Moeda.


0

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Microcontos de Gustavo do Carmo 



Judas
Judas traiu a esposa com a instrutora da academia, que ele conheceu num Sábado de Aleluia quando foi malhar para emagrecer. 


Digna
Era uma mulher digna. Preferiu confessar a sua traição conjugal ao marido a cair na chantagem do amante. Foi escurraçada de casa e as fotos da famosa jornalista nua foram divulgadas mesmo assim.

0

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Por dudu oliva


0

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

João Paulo Mesquita Simões


No passado dia 3 de setembro, os CTT - Correios de Portugal, lançaram uma emissão comemorativa do Bicentenário do nascimento de S. João Bosco, pai mestre dos jovens.

Composta unicamente por um selo de 0.45 euros, teve uma tiragem de 155 000 selos. Junta-se também um bloco, na imagem, com o valor facial de 2.50 euros.

S. João Bosco (1815-1888), ou Dom Bosco, como também é conhecido, foi o fundador da Congregação Salesiana ou Sociedade de S. Francisco de Sales, orientada para a educação dos jovens, principalmente em situação de risco e pobreza. O ramo feminino da família Salesiana, é a Congregação das Filhas de Maria Auxiliadora, que actualmente tem cerca de mil e quinhentas comunidades em noventa e quatro países, com mais de treze mil elementos. Quanto aos Salesianos, existem cerca de duas mil comunidades em cento e trinta e dois países, com mais de quinze mil membros. O design da emissão é de Miguel Mendes, com imagens cedidas pela Casa Geral da Congregação Salesiana, e a impressão foi executada na Bélgica, por bpost.
 
0

segunda-feira, 7 de setembro de 2015


Conto de Gustavo do Carmo

Como condição para perdoar o amigo virtual, Charles exigiu que Marcos indicasse os seus contos para produtores de cinema, TV ou teatro. Marcos já tinha feito isso. Vendeu a ideia para uma conhecida atriz. Só que não pediu autorização para o verdadeiro autor e ainda ficou com o todo o dinheiro. Como a tal atriz fez várias modificações na história que Charles tinha descartado, não ficou caracterizado plágio.
0

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Por dudu oliva


0

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

João Paulo Mesquita Simões


No passado dia 1, os CTT - Correios de Portugal, lançaram uma emissão alusiva aos frutos portugueses.

Constituída por seis selos e uma mini-folha, esta emissão leva ao conhecimento do público em geral, dentro e fora do País, dos frutos que se cultivam em Portugal.

Como é sabido, Portugal exporta produtos alimentares, sendo a fruta uma das delícias de quem nos visita.

Não esqueçamos também, os frutos típicos dos Açores e da Madeira como a banana, o ananás e o abacaxi, entre outros.

Fica a imagem da série, que considero muito bonita. 
0

Arquivo do blog