terça-feira, 24 de março de 2015

'Mundos Fantásticos', a herança literária de Edgar Rice Burroughs

      

Texto de Weverton Galease

Talvez não lhes vêm a cabeça do que se trata, mas se disser apenas 'TARZAN', tenho certeza de que sai algo de vossas cabeças pensantes.

Completou-se 65 anos da morte do escritor estadounidense, Edgar Rice Burroughs, um 'novelista' de muita fama para uma época irreverente aos tempos de hoje. O autor romancista é conhecido mundialmente por ter cultivado o gênero da ficção científica, ao qual foi inspirado por uma 'ficção barata' nas revistas de aventura da época.



Aprofundando mais ao sangue, Burroughs nasceu em 1 de setembro de 1875, quarto filho de George Tyler Burroughs (1833-1913) e Mary Evaline (1840-1920), de família rica tentou ainda jovem uma carreira militar, chegando a servir a Academia Militar de Michigan, mas em 1897 quando diagnosticado com problemas cardíacos, teve de deixar este caminho. Melhor para a literatura mundial seria?

E então, Burroughs trabalhou como qualquer Ser Humano por sete anos, mas por baixos salários, resolveu escrever, e fez um bem danado até para o próprio coração, ligando-o a uma longevidade incapaz de se imaginar na época. Em 1911 passou a escrever ficção científica, na época ainda nos 'papéis amarelos', folhas usadas na época, aderiu-se ao chamado de 'ficção barata'.

Seu primeiro livro "Under the Moons of Mars" foi publicado pela revista "All-Story" e foi tão bem sucedido que Burroughs decidiu que esta era a sua vocação e seu futuro.  

Em 1912, ele publicou a primeira história de "Tarzan" e, em 1914, o romance "Tarzan of the Apes", com o qual alcançou fama internacional e foi traduzido para vários idiomas, e, mais tarde transformado em filme várias vezes; sua produção total de Tarzan abrange um total de 23 obras.

Burroughs é considerado o escritor estadounidense mais prolífico do século XX, pelo volume de produção, cobrindo várias séries com temas do 'velho oeste marciano', muito comum na época. Este fato é lembrado em outra biografia dele, publicada por 'The Tower Century'.

Com um Marte fictício, Burroughs ainda contou as aventuras de John Carter e vários outros guerreiros e princesas de 'Barsoom', a sua segunda produção mais extensa e bem sucedida, depois de 'Tarzan'.

O sucesso de Burroughs é algo incomum nos tempos de hoje, apostando em obras 'baratas' para a época, ao comprar um rancho no norte de Los Angeles, ao qual o chamou de 'Tarzana', em 1927 passou a ser uma comunidade, devido aos populares nas fazendas a volta, hoje é conhecida como Tarzana, na Califória.

Na década de 1930, Burroughs já 'endinheirado', criou sua própria gráfica e passou a imprimir seus próprios livros, o que durou a década inteira.

Nos relacionamentos amorosos, após muito sucesso, seu casamento de 34 anos chegou ao fim, ao qual casou-se com a atriz Florence Dearholt Gilbert, a qual era ex-esposa de seu amigo Dearholt Ashton.

Mesmo com a abrangência de saber e ter seguido o rumo da escrita, durante o ataque a Pearl Harbor, residente no Hawaii e apesar de já ter 70 anos, pediu permissão para se tornar um correspondente de guerra. A permissão veio, e acabou se tornando em um dos mais antigos correspondentes de guerra dos Estados Unidos, durante a Segunda Guerra Mundial.

Quando a guerra terminou, Burroughs retornou à Califórnia, ao qual mais tarde viria a partir para morte (ou melhor para 'Marte') em 19 de março de 1950, quando lhe aconteceu um ataque cardíaco.

Já se passaram 65 anos de sua morte, e a obra de Burroughs, sim aquela principal, 'Tarzan' ainda segue viva, em pleno século XXI, o então filme, foi gravado em 3D, marcando seu retorno aos cinemas, previsto para estreia em Julho de 2016.

David Yates, diretor dos últimos quatro filmes de "Harry Potter", vai dirigir esta produção baseada nos textos de script de Edgar Rice Burroughs. Produção de Jerry Weintraub, junto com David Barron e Alan Riche.

"Tarzan era uma figura permanente e enigmático na literatura e no cinema há mais de um século. As aventuras de um homem que estava dividido entre dois, tem entretido e intrigado jovens e adultos pelo mundo e está a se reinserir no cinema para uma nova geração. "


2 comentários:

Fabíola Cangussu disse...

Adorei o tema.Sinceramente, não conhecia nada de Tyler.

Ulises Amaral Coelho disse...

Olá, gostei e gostei muito mesmo do artigo. Muitos parabéns.

Arquivo do blog