domingo, 8 de março de 2009

MULHERES-MULHERES

Por Ed Santos
foto: http://www.indizivel.com/images/mulher_1280x960_notext.jpg


Queria falar da importância da mulher neste oito de março de dois mil e nove, mas não sabia bem ao certo o que dizer. Me veio a idéia de escrever sobre Leila Diniz, mas não tenho conhecimento suficiente pra explorar a importância que ela representa para o país e para as mulheres. Pensei então em falar sobre a mais nova celebridade feminina mundial, Michelle Robinson Obama, mas aí é que me falta conhecimento mesmo.

Poderia mesmo até falar de várias mulheres ao mesmo tempo, cada uma representando sua atividade. Derci Gonçálves no campo das artes, Clarice na literatura, Hortência no basquete, Marta no futebol, Daniele Hypolito na ginástica, Carmem Miranda na música (vamos aproveitar o centenário), e se formos destacar os estilos, então teremos: Rita Lee para o rock, A primeira-dama do samba Dona Ivone Lara, Nara Leão para a bossa nova, e assim vai.

Poderia falar das mulheres da minha vida: minha mãe, avós, primas, tias, esposa e filha, sem contar com as diversas professoras ao longo da vida, as tias da cantina e depois já na fase adulta, no trabalho, as chefas e as tias do café.

Ficariam faltando as que realmente representam a importância feminina: as mulheres-mulheres. Aquelas que cuidam da casa, dos filhos, dos maridos. Aquelas que trabalham fora, ralam pra ajudar no sustento da família, que sofrem as mais duras agressões. Aquelas que são discriminadas, que são violentadas, que encaram a vida com toda força e gana, e que possuem “a estranha mania de ter fé na vida”.

Para essas mulheres apenas um dia no ano é pouco. Seria necessária uma vida inteira para reconhecer o valor de cada uma delas. Muitas ficam felizes com a comemoração, mas uma grande parte não faz nenhuma questão de comemorar, pois estão tão envolvidas cada uma em sua rotina, que o data passa despercebida. Então, só resta lembrar Lenine pra finalizar:

 

... Você, ó flor, é como a nuvem calma

No céu da alma de Luiz Vieira;

Você é como a luz do sol da vida

De Steve Wonder, ó minha parceira.

Você é pra mim e o meu amor,

Crescendo como mato em campos vastos,

 Mais que a gatinha para Erasmo Carlos;

Mais que a cigana pra Ronaldo Bastos;

Mais que a divina dama pra Cartola;

Que a domna pra Ventadorn, Bernart;

Que a honey baby pra Waly Salomão

E a funny valentine pra Lorenz Hart.


Só você;

Mais que tudo e todas, é só você;

Só você,

Que é todas elas juntas num só ser.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog