terça-feira, 25 de março de 2008

DA CIZÂNIA

"Quem julga pelo que ouve e não pelo que entende, é orelha, e não juiz"
(Quevedo)

Da Cizânia.( Do gr. zizánion, 'joio', pelo lat. tard. zizania)
Vírus antigo e imortal ataca novamente; responde também pelo nome do Lat. ‘Calumnia’.
Para neutralizar a reação de suas vítimas, a ‘Calumnia’ é urdida com a meticulosidade de um bote de serpente notívaga; com o veneno da infâmia forja a imagem dos que não são do cizanheiro associado ou questionem o seu padrão comportamental; arraigado de anos no âmago das pessoas, alimenta o preconceito, justificando a violência do boicote e outras perseguições que o vírus, irmão do autoritarismo, permite.
(...)

Da vacina.
Dica: Para ter sua virulência mitigada, e com fim preventivo, curativo ou paliativo, a vacina requer alto grau de abstinência de conformismo, alto teor de paciência e três vezes ao dia, Justeza (na forma cristalina) - recomenda-se a utilização de uma balança analítica que permaneça equilibrada quando dois pesos são colocados em seus pratos. E, desde que não existem garantias, recomenda-se tomar Lucubração a cada duas noites, para evitar recaídas.(...)
Perfil fotografado em laboratório (foto a ser anexada): nota-se a semelhança com os insetos isópteros. Ela é socializável, vive em comunidades populosas, formadas por indivíduos ásperos e egoísticos; constroem cizanheiros nas casas, escritórios ou bares. Vegetariana ou não, algumas atacam as raízes de crianças em idade escolar ou desavisados adultos sindicatados; mas podem alimentar-se também de intelectuais, artistas ingênuos, jornalistas oportunistas etc, causando sérios prejuízos.

Algumas espécies são antropocóricas, possuindo protozoários intestinais que danam a inteligência e o espírito de amigos, colegas, familiares e até populações inteiras, sem serem notados. O efeito pode ser devastador, provocando epidemia de suspeita, intolerância, ódio irracional ou aversão a outras raças, credos, partidos, países e todo e qualquer "...ismo", que não o prescrito pelo DNA de seus cupinchas da societas sceleris.












Pacientes terminais

Nenhum comentário:

Arquivo do blog