terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Cartas para ninguém (21, 22, 23 e 24)



- 21
Hoje eu coloquei um dos muitos CDs gravados que você me deu ao longo dos anos pra tocar.
(Acho que você é a única pessoa que ainda faz isso.)
A primeira música era “Mr. Jones”, do Counting Crows.
Uma das suas favoritas.


- 22
Mesmo você sendo muito eclética, o gênero que mais tocava seu coração era o Jazz, não era?


- 23
Às vezes eu releio algumas dessas cartas e vejo a minha inconsistência em relação a você.
Às vezes escrevo sobre o que você faz, ouve, assiste; outras sobre o que você fazia, ouvia, era...
Será que as minhas esperanças estão se esvaindo sem eu perceber?


- 24
Domingo eu acordei e não quis levantar. Olhei a hora no celular. 11 horas. Fechei os olhos novamente. Uma hora depois o Robinson estava tocando a campainha.
Uma semana atrás tínhamos combinado de ir no dia da minha folga no cinema do shopping ver o tal filme de super-herói (que eu não sou muito fã) que ele queria tanto ir ver.
Eu só queria ficar ali na minha cama.
Ele insistiu, dizendo que eu tinha que sair um pouco.
O filme foi como eu esperava. Tive que ficar ouvindo ele falar e falar, na ida, na volta e dentro do shopping sobre as várias coisas que ele gosta e deixa de gostar nesses filmes.
Como eu sinto a falta da sua companhia...


Parte 6 do conto de Lucas Beça

Nenhum comentário:

Arquivo do blog