quinta-feira, 2 de junho de 2016

ROTEIRO DO VINHO V - Zinfandel 'é do Tio Sam'

 -Você, já ouviu falar em Zinfandel? Se sim, deixe nos comentários.

 Vou aqui apresentá-los a uva Zinfandel, que assim como a Malbec se tornou uma uva icônica da Argentina, a Carmenère no Chile, nos Estados Unidos a apoderada é a Zinfandel, mais conhecida como Zin, para os mais íntimos.


Originária da Europa, conhecida como Primitivo no sul da Itália. Ela tem nos terrenos americanos quase 90% da área plantada no mundo. Sendo produzida para vinhos tintos e também para os brancos,”white Zinfandel”.
Os brancos na verdade tem aparência rosada como um salmão, é bastante interessante assim como nos tintos que levam uma coloração vermelha rubi escura.
É uma uva que gosta do calor, atingindo alto teor alcoólico mas com bastante equilíbrio.
Seus aromas são bastante frutados com presença de morango, cereja, amora e framboesa. Aromas de especiarias e pimenta, também são normais nesta cepa.
Seu paladar é ótimo com a acidez, médio corpo para encorpado e com taninos redondos e doces que geram vinhos para o dia a dia e alguns com bastante estrutura e complexidade. Normalmente são vinhos de média guarda, de 5 a 10 anos.
Alguns exemplos de ótimos produtores de Zinfandel:
– Seghesio
-Maple Vineyards
-Rafanelli
-Dry Creek
-Ridge
– Ravenswood

Exemplo de vinho da uva Zinfandel
Vinho Tinto CALIFORTUNE
A garrafa de 750ml custa no Brasil entre 90 e 120 reais.
Este rótulo é fabricado pela Maple Vineyards, já citado acima, o teor alcoólico chega no máximo aos 0,3%, o que faz com que este vinho chegue a ser um bom acompanhante de carnes bovinas, com apenas um ano de amadurecimento, o Califortune, fica doce e com um vermelho rubi intenso.

                                                          Uma Publicação de Weverton Galease
                                       *Roteiro do Vinho, marca licenciada autorizada
                                                           Agradecimento : Gustavo do Carmo

Um comentário:

Ana São Roque/SP disse...

Que maravilha que tenha dado sequência no roteiro do vinho, sempre muito interessante as postagens.
Essa uva americana já tinha ouvido falar, mas os vinhos geralmente são bem caros, se formos comparar com os produzidos aqui em São Roque.
Abraço!

Arquivo do blog