terça-feira, 21 de abril de 2015

ROTEIRO DO VINHO III - O Vinho da Ilha do Fogo


  
Texto: Weverton Galease
Fotos e Dados : Adega de Monte Barro

Um projeto, uma solução? Foi assim que prosseguiu a 'entrada' de uma solução à Ilha do Fogo, em Cabo Verde, país lusófono africano. Com a ideia de promover um desenvolvimento à região, nasceu em 2005 o 'Vinha Maria Chaves', projeto com apoio do governo local, ao qual cedeu terrenos para o cultivo da uva durante 50 anos, e a partir disso, se tornar em um grande produtor de vinho. Porém, a região é de clima muito seco, o que fez com que houvesse um alto investimento em irrigação, foram necessários 6 km de rede ligada ao aqueduto, para garantir a irrigação 'gota a gota' todos os dias. A cisterna de 400 m³ está localizada a 920 metros a nível do mar. Os resultados começaram aparecer no verão de 2012, porém ainda não com toda a produção disponível, devido claro ao clima regional, que é um grande obstáculo, até 2015 cerca de 50% de cultivo já é produzido, em 2016 chegará à 100% de cultivo da área, aumentando em dobro os milhares de litros vinhos produzidos.


  Ao lado do projeto da vinha, desenvolve-se o da 'Adega de Monte Barro', anexa, destina-se à transformação da uva em vinho, nos seus respectivos processos : refinação, engarrafamento, rotulagem, envelhecimento, embalagem, e o acondicionamento da garrafas.

  O projeto foi elaborado por profissionais italianos, são vários setores ligados aos projetos vinha-adega, desde a agricultura ao turismo, de formação profissional à criação de uma pequena industria de vinho. A tendência é de que em breve os italianos saiam de cena, e que os projetos sejam comandados apenas por cabo-verdianos.

  Porém o grande desafio é manter a água e a energia na Ilha do Fogo, já que uma vez os custos são muito altos, por exemplo, o bombeamento de água chega a custar 137 mil Euros, enquanto manter a energia, chega aos 149 mil Euros.
ESTIMA-SE QUE COM 100% DA CAPACIDADE, SEJA PRODUZIDO 233 MIL GARRAFAS DE VINHO POR ANO
 Mas, vamos ao que interessa, vamos conhecer os vinhos produzidos em terras cabo-verdianas, são quatro tipos, todos eles, receberam nomes das localidades da região, para que se leve o nome da região ao mundo.





VINHO BRANCO SANTA LUZIA 

 Este especialmente de safra do ano 2012, com um teor alcoólico de 13%, é um vinho cristalino com brilho vivaz, de cor amarela palha, tem um leve tom dourado mais especificamente, perfume de uva aromática, de fruta tropical, orquídea branca e brisa do mar...é um vinho 'fino', que contém um impulso mais fresco ao paladar, este acompanhante de pratos ricos de peixe ao molho, é uma ótima pedida, o Santa Luzia é sempre muito bem vindo com frutos do mar.
Ao gosto da uva Moscatel.
O vinho é comercializado aos 13 Euros.





                              
                             VINHO ROSÉ SAN VICENTE
       
        De safra 2012, este belo Rosé, contém um teor alcoólico de 11,5%, com seu cristalino brilho vivaz, tem uma cor de rosa clarete, ou quase rubi (mais especificamente), 
perfume de cereja branca e de rosa brava, com notas minerais, deixa uma suave intensidade aos sentidos, ao paladar apresenta-se seco, bastante macio e muito fresco.
Desenvolve um ligeiro calor que envolve um aroma de cereja, acompanha-se de aperitivos grelhados, como de atum ou até coelho (este comum na região).
Juntam-se Cabernet Sauvignon e Merlot.
Este Rosé é comercializado aos 11,50 Euros.









            VINHO TINTO SAN TIAGO

 Com um teor alcoólico de 12%, é um vinho tinto límpido, de cor rubi com reflexos purpúreos, tem aroma de frutos vermelhos frescos com notas florais, vinho 'fino', ao paladar seco, bastante fresco e de médio corpo, redondo e imediato, ou seja, uma fresca juventude.
 Este Tinto é uma boa pedida ao acompanhar massas com molhos ricos, também é recomendado com grelhadas de galinhas e outras carnes brancas.
Rico em uma mistura de Muscat, Tourina cabo-verdiana e Tempranillo.
O Tinto San Tiago costuma a ser comercializado na faixa dos 10 Euros.








                          VINHO TINTO SAN FILIPE

  Este considerado o 'queridinho' da 'Vinha Maria Chaves', contém 13,5% de teor alcoólico,
de cor rubi densa e profunda, com notas purpúreas, tem impacto aromático de rosa vermelha, groselha e murtinho, coroado de notas à especiarias, tem paladar bastante fresco e macio, enriquecido pelos taninos suaves, revela um corpo atlético e balanceado, é ótimo para experimentar com queijos, acompanha-se bem também com grelhados de ovelha (comum na região). 
Possui uma mistura de Cabernet Sauvignon e Merlot.
É comercializado aos 13,50 Euros. 



Nenhum comentário:

Arquivo do blog