sábado, 20 de agosto de 2011

MICROCONTOS - ECONOMIA


Por Gustavo do Carmo


Justiça
A justiça casou-se com o amor. Tinham algo em comum: eram cegos. A relação não deu certo. O amor encontrou a justiça, que era advogada, na cama, se esfregando com o dinheiro.


Lavagem
A culpada pela lavagem de dinheiro foi a empregada, que não tirou as notas do bolso da calça do patrão ao jogá-la na máquina de lavar.


Vendaval
Morreu soterrado por um vendaval de dinheiro que escapou de sua mão.


Gastador
Era um gastador de tudo. De dinheiro a sola de sapato. Gastou uma bala de revólver pela única vez.


Tempestade
Com o vento plantou as sementes. Colheu uma tempestade de dinheiro.


Descartável
Era descartável. Tinha amigos descartáveis. Amores descartáveis. E uma vida descartável até ganhar dinheiro com lixo reciclado.


Comprar
O português pão-duro e mal-humorado entrou em uma loja virtual e se revoltou com os botões: "Ora, pois! COMPRAR! COMPRAR! COMPRAR! Só se fala em comprar!"


Paz
Era tão indesejado que a sua morte trouxe a paz e prosperou a economia mundial.


Índice
Jornalista econômico, comemorou a queda do índice de falências no país. Só lamentou que o pequeno comércio do seu pai que o sustenta não estivesse neste índice.


Navalha
Meu cartão de crédito é uma navalha. Cortei o pescoço do garçom com ele quando a compra foi recusada.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog