domingo, 30 de maio de 2010

ILHA

Por Ed Santos


Misto de serra e mar, campo e praia, inigualável ar cidade grande com ares rurais, apesar
É daqui que tiro a vida, a vontade de viver, deste pedaço de terra que não fiz por merecer
Não um simples naco, mas um puta téco, frio como o ártico e quente como e deserto
Os meus estão todos lá, do poeta ao locutor todos pra mim são só um e esse, meu único amor
Lá fala-se dialetos, tupi-guarani, esperanto, as línguas que lambem minha vida estão todas no
meu canto
Canto que encanta sombrio com todas as luzes às vezes.
Morrer é meu desafio.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog