sábado, 13 de fevereiro de 2010

MOMO

Por Gustavo do Carmo



Crédito da foto: storebodes.blogspot.com/2009/05/rei-momo.html , blog de Thais Linhares

Moacir sempre comeu de tudo. Desde os saudáveis legumes e verduras até os pecaminosos fast-foods norte-americanos, passando pelo churrasco também. Obviamente, preferia esses últimos, embora nunca tenha rejeitado as comidas naturais.



Seus pais fizeram a parte deles. Da mesma forma que o obrigaram a comer verduras e legumes nos seus primeiros cinco anos de vida, acostumaram-no com mimados passeios no McDonald’s, Bob’s, Gordon, ofereceram-lhe cachorro-quente e pizzas e o recompensavam com saborosos e suculentos doces e sorvetes quando comia toda uma sopa de cenoura com inhame. Adorava um rodízio: churrascos, massas, pizzas, sushi, petiscos...


Foi crescendo e dando prioridade ao sabor em detrimento à saúde. Moacir viveu a infância como um simpático menino gordinho, de bochechas suculentas e paupáveis. Na adolescência tornou-se o gordinho brincalhão e atrapalhado da turma. Chegou à faculdade com a mesma fama, no entanto, muito mais gordo.


Moacir definiu-se um adulto obeso, ansioso e deprimido. Não conseguiu emprego e nem namorada. Foi discriminado por todo mundo pela sua gordura. Amigos, mulheres e recrutadores de recursos humanos o rejeitavam. Os da faculdade e outros cursos que ele fez para se especializar o abandonaram depois da conclusão.

Também era tímido e tinha déficit de atenção e transtorno de ansiedade social. O que o atrapalhava nas entrevistas. Atingiu os trinta anos ainda dependendo das rendas do seu pai que, obviamente, perdeu a paciência e começou a lhe cobrar.


Obrigava-o a prestar concurso público ou arrumar um emprego qualquer, mesmo os mais humildes. Quando não tinha sucesso em suas exigências o aterrorizava com crises financeiras ou ameaças de deserção.
— Eu vou morrer falido e deixar você e sua mãe desencaminhados.


Moacir fazia a sua parte. Distribuía currículos, procurava contatos e fazia alguns concursos. Tímido em excesso, se atrapalhava nas entrevistas. Mas sua obesidade piorava a situação. Moacir ficava em dúvida se era reprovado por ser tímido, ansioso, desatento ou obeso.


A mãe, por sua vez, o defendia das cobranças profissionais do pai. Mas só nos momentos de discussão violenta, na hora do desabafo. Quando ficavam sozinhos, também dava umas broncas. Acusava o filho de preguiçoso e o obrigava a fazer dieta. Moacir tentava, mas não conseguia. A ansiedade e a depressão o levavam a comer tudo de volta. Já fazia questão de engordar de propósito para ter um ataque cardíaco e morrer.

Voltando ao pai, ele dava uma trégua nas cobranças profissionais. Mas mudava o foco para o seu peso. Numa das inúmeras discussões o velho ironizava:


— Você está se preparando para se candidatar a Rei Momo?
— Ainda não. Mas sabe que o senhor me deu uma ótima ideia?

Moacir, que já era apelidado de Momo desde criança, embora nunca fosse esse o seu sonho, decidiu se candidatar a Rei do Carnaval. Teria a rainha e as princesas, belas mulheres, em sua volta. Receberia a chave da cidade das mãos do prefeito e abriria o desfile das Escolas de Samba.

Gostava de sambar e decidiu ir à Cidade do Samba se inscrever. Foi desclassificado. Na hora da pesagem descobriu que estava acima dos 150 kg de limite máximo para ser elegível. Pesava 200 kg. Era uma nova norma politicamente correta do incentivo à vida saudável.

Frustrado, seguiu até o Centro e afogou as mágoas num restaurante do McDonald’s. Só saiu de lá rebocado.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog