quarta-feira, 16 de julho de 2008

RESENHA DA QUINZENA - GUARAH



Emociona, mas sobra um olho
Por Gustavo do Carmo

Depois do sucesso do refrigerante levemente gaseificado H2OH!, a Ambev lançou mais uma novidade, o Guarah!, mesmo tipo de bebida só que com sabor do Guaraná Antarctica, que pertence ao grupo. Ele tem a inovação de ser um guaraná transparente, mas acaba entregando que não é um produto natural, pois seu sabor vem da fórmula do refrigerante tradicional.

De qualquer forma o fabricante encomendou à DM9DDB uma campanha leve como a bebida, mas forte na tarefa de consolidar a lembrança do produto. Seis meses depois, a equipe formada por Sérgio Valente, Rodolfo Sampaio e Julio Andery criou o conceito "o guaraná encontrou a sua cara-metade: de sua união com a água surgiu uma bebida refrescante, levemente gaseificada e sem açúcar". Após um grande desafio com a animação 3D, surgiu um comercial encantador, aproveitando o Dia dos Namorados, no qual uma frutinha de guaraná solitária perambula por programas românticos como um cinema drive-in que exibe um filme de amor, uma pista de dança e uma lagoa onde casais passeiam de pedalinho. Em todas os lugares a frutinha está triste. Na última ela não resiste e chora. No momento em que suas lágrimas caem na água, aparece o reflexo da garrafa PET cheia da bebida que se interessa pelo guaranázinho. É a partir daí que a frutinha se alegra.

Embalado pela canção “I Want to Know What Love Is” da banda Foreigner, um clássico dos anos 80, é possível sentir pena da solidão do guaraná, que ficou bem desenhado com os olhos simbolizados pela semente da fruta e a sobrancelha pela folhinha. O olhar triste lembra aqueles desenhos animados japoneses. A inspiração, claro, foi no mês dos namorados, em junho.

Mas eu notei dois leves defeitos. A fotografia do filme ficou um pouco embaçada. E embora os criadores tenham optado por um guaraná de dois olhos, acho que deveria ter apenas um, pois a impressão que se tem é de que ele não está realmente solitário O olho único deixaria mais claro o conceito de solidão.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog