sábado, 30 de maio de 2015

TUDO NA CABECEIRA - O QUE EU JÁ LI: DOIS IRMÃOS

Por Gustavo do Carmo 


Sabendo que Dois Irmãos, romance de Milton Hatoum, está sendo adaptado pela Rede Globo, com Antônio Fagundes, Antônio Calloni, Eliane Giardini, Cauã Raymond, Juliana Paes e Barbara Evans (filha da ex-modelo Monique Evans) no elenco, decidi comprar a sua versão em e-book. Quero estar por dentro quando começar a sua exibição, prevista para o ano que vem.

O problema é que a minissérie está sendo dirigida pelo complicado (no sentido artístico) Luiz Fernando Carvalho, que costuma viajar na maionese em suas produções.

Já o livro é ótimo. Envolvente, bem escrito e sem frescuras poéticas. Você entende logo o que o autor quer dizer. Com qualidade, Hatoum, através do seu narrador, o filho da empregada da família da trama, nos transporta para Manaus, às margens do Rio Negro, aparentemente da primeira metade do século passado até os anos 70, pois não há uma referência cronológica. Mas o crescimento da cidade e do bairro foi mencionado

Milton Hatoum
Hatoum, também manauara e descendente de libaneses, nascido em 1952, estreou na literatura em 1989 com o romance Relatos de um Certo Oriente. Em 2000 publicou Dois Irmãos e ganhou o Prêmio Jabuti, o mais importante da literatura nacional, de melhor romance no ano seguinte. O prêmio foi dado ao primeiro romance e também a Cinzas do Norte, que ele publicou em 2005. Os outros dois livros de sua autoria são Órfãos do Eldorado (2008) e a coletânea de contos A cidade ilhada. As memórias familiares, a desestrutura familiar e leves discussões políticas são características dos seus textos. 

Editado pela Companhia das Letras (editora paulista que acabou de comprar a carioca Objetiva através de sua controladora Penguin Books), Dois Irmãos narra a história de Yakub e Omar. Apesar deste último ser chamado várias vezes de "O Caçula", os dois são gêmeos. Omar nasceu cinco minutos depois. Ambos são filhos do casal de origem libanesa Halim e Zana, uma mulher manipuladora que nutre uma paixão obsessiva (apenas maternal) por Omar, o bon vivant da família de classe média.

Os dois irmãos se separam após brigarem pelo amor de uma mesma mulher: Lívia. Ao ver o irmão de mãos dadas com a vizinha em uma sessão de cinema caseiro, Omar, dominado pelo ciúme, acerta a cara de Yakub com uma garrafa. Com a face direita, o "mais velho" vai para o Líbano e lá passa cinco anos. Mais um tempo, Yakub parte para São Paulo, onde se forma em engenharia, constrói a sua vida e se casa com Lívia, sem ter filhos. Omar passa a nutrir um ódio invejoso por ele. 

Outras histórias paralelas envolvem o narrador da história, filho da empregada Domingas, e Rânia, irmã mais nova dos gêmeos, que vive dispensando seus pretendentes. O narrador, que só tem o nome revelado no final do livro, acredita que o seu pai é um dos gêmeos da família onde a sua mãe, uma índia, trabalhou desde moça, quando foi adotada por Zana, entregue pela dona de um orfanato onde morou após ficar totalmente órfã. Também no final, é possível perceber que o narrador é um alter-ego de Hatoum. 

Eu ia dar a classificação máxima de cinco estrelas para Dois Irmãos, mas me decepcionei um pouco com o final (que, claro, não vou contar). Mesmo assim, recomendo o livro.

Avaliação
««««

Dois Irmãos
Autor: Milton Hatoum
Gênero: Romance
Ano de edição: 2000 (última edição: 2007)
Págs: 266
ISBN:  9788535908336
Preço: R$ 21,50

Nenhum comentário:

Arquivo do blog