quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019



João Paulo Mesquita Simões





Por Decreto de 25 de fevereiro de 1869, era abolida a escravatura em todos os territórios de Língua Portuguesa.
0

terça-feira, 26 de fevereiro de 2019



- 29
Estava aqui pensando que se meu computador der pau, eu vou perder todas as suas fotos, tirando as poucas que eu tenho no celular e a que está no quadro. E o meu celular não é lá essas coisas.
Eu vou salvar as fotos na nuvem.
Vou fazer isso.


- 30
Salvei as fotos e gravei em um CD que eu tinha aqui em casa também.
É só isso que eu tenho pra hoje.
Eu também acho que peguei gripe.


- 31
O Robinson passou lá na loja hoje de manhã. Justo hoje que eu não fui trabalhar. Foi a primeira vez esse ano. Eu continuo não atendendo as ligações dele. Fiquei sabendo pelo meu chefe. A ligação dele eu atendi, é claro.
Na verdade foi o meu chefe que apareceu aqui no apartamento. Trouxe uma cartela de comprimidos pra gripe.
Acho que eu nunca vou ter chefe que nem esse senhorzinho.


- 32
A gripe está passando e acho que amanhã eu já volto a trabalhar.
Estou pensando em visitar minha mãe em São Paulo nesse fim de semana.
Tenho pensado muito em você ultimamente.


Parte 8 do conto de Lucas Beça
0

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

João Paulo Mesquita Simões







Na minha temática do Centenário da I Guerra Mundial, procuro este selo.
Quem tiver, e possa vender ou trocar, eu agradeço.



0

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019


Um homem olha para o horizonte com as mãos na cabeça, o olhar aterrorizado. Esse homem sou eu. 

O dia está realmente bonito e ensolarado, pois a porta da varanda está aberta e dá para ver o gramado lá fora, esse vasto cobertor verde entremeado por algumas rosas. Tudo parece lindo, em contraste com o fogo que queima tudo aqui dentro. Eu peguei o whiskey 40 anos e, entre um gole e outro, derramei nos sofares, nas cortinas e no tapete. Gotas caíram na cópia de uma certidão de nascimento, me dando um teste colorimétrico, mostrando que não existem espécimes químicas de amostras falsificadas. Daí eu percebi o quão bom é realmente esse whiskey. 

Quando olho para baixo, lá para o chão, percebo que minhas maçãs do rosto tem sulcos abertos pelas lágrimas. Meu segundo erro foi beijá-la. Meu primeiro erro foi jogá-la da sacada do primeiro andar. Certo, você pode achar que eu estou confundindo e invertendo as coisas, mas deixa eu te falar um negócio: quem está contando a história sou eu, então sei bem o que estou fazendo. Apenas continue lendo. 

Eu fico puto quando lembro da batida que fizemos uma vez e encontramos amostras de whisky falsificado em que eles colocavam cachaça barata para aumentar o teor alcoólico. Qual o problema dessas pessoas? 

O que você precisa saber sobre Diva é que eu gostava dela. Digo, eu realmente gostava dela. Não era amor, nem outra dessas besteiras, mas eu realmente gostaria de passar o resto da vida com ela. Mas não se engane desde o início. Isso não é uma história de amor, mas também não é uma história de ódio. E não leia da maneira como você costuma ler, pois essa maldita história só vai ter umas pausas pra você tomar fôlego. Então vai piorar. Depois piora mais.  

Em outra batida descobrimos que para corrigir a cor do whisky falsificado eles acrescentavam caramelo. E isso me fez pensar sobre a crueldade da mente humana. Pelo amor de Deus! Caramelo? Por isso que aquelas porras daqueles whiskys tinham uma cor tão horrível, uns eram magenta, por causa da glicose, claro. Nem fazer o errado esses malditos sabem.

Eu tenho esse ódio, que nasce de meu fígado, como uma úlcera. Um ácido vai corroendo meu órgão, provocando feridas, aumentando uma lesão. Sou uma máquina que fabrica ácido. Essa raiva proveniente de uma decepção, de ter uma coisa em suas mãos pensando que é algo quando na verdade, nesse momento em que você vai experimentar, é totalmente outro. Me sinto enganado e isso me aborrece. Saber que tudo o que tinha naquele recipiente é falso. Eu poderia fazer disso uma analogia com pessoas, mas então um pensamento me vem: se eu espero algo de outra pessoa, o problema sou eu. 

Olho para baixo desde o primeiro andar e o corpo de Diva sobre a poça de sangue permanece lindo. Acima da cabeça estão unhas de porcelana pintadas com um degradê de vermelhos cintilantes. Os dedos com vários anéis. Os cabelos abundantes e acobreados. Infelizmente, como caiu de bruços, não dá para ver seu enorme par de seios. O paletó branco contrasta lindamente com o vermelho viscoso sob ela e a saia aperta tanto sua bunda que ela parece um coração. Porra, ela mesmo espatifada no chão parece uma princesa. 

Os whiskys falsos, diluídos em água de torneira com seu flúor e cloro, você nota rápido porque pagou tão barato em uma garrafa de 900ml. Já um whiskey original? Bem, uma vez eu comprei um e quando enchi o primeiro copo e lembrei o valor pago nele perguntei a mim mesmo o quão barato eu era diante daquela garrafa. 

E agora tem esse homem de olhar aterrorizado com as mãos na cabeça olhando o horizonte com lágrimas secas nas bochechas e esse homem cuja dor já não mais incomoda, caído num torpor cada vez mais agradável. E nenhum desses dois sou eu. 

Diva sempre tinha alguma vantagem sobre mim. Era feliz, era livre, era bonita. E agora, ali em meio a grama verde e orvalhada, ela tinha uma enorme e terrível vantagem sobre mim:

Estava morta. 


Hemerson Miranda
0

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019



- 25
Eu estou tendo um pesadelo recorrente há uma semana.
Nele eu estou tranquilo dentro de casa e um médico bate na porta, dizendo que eu tenho que ir com ele até o hospital, porque tem um corpo que eu tenho que fazer reconhecimento.
De repente nós dois somos transportados para o necrotério.
Ele caminha até a única mesa metálica do lugar e tira o pano branco de cima do corpo, e é você que está ali, dura, fria, branca, sem expressão.
Então eu acordo.


- 26
Peço desculpas novamente pela semana sem escrever.
Não tenho saído de casa, a não ser para ir à locadora e ao mercado.
A televisão acaba sendo meu único vínculo com a humanidade. Com os clientes só tenho conversas automáticas, qual o nome, são x reais, devolver tal dia; com o chefe quase não tem conversa, ele está sempre preocupado se vai fechar o negócio ou não; no mercado as conversas também são automáticas. O Robinson liga de vez em quando, mas eu não atendo. Ele também não faz esforço para vir aqui me ver.
Não que eu queira.
Também não estou indo aí te ver.
Desculpa.


- 27
Ontem eu passei uma boa hora olhando a pasta no meu notebook com fotos suas e de nós dois.
Escolhi a melhor que eu pude, no meu gosto meio duvidoso e salvei no pen drive.
Levei até a loja de revelação aqui da cidade e no fim do dia fui buscar. Comprei um quadro também.
Agora a pouco coloquei o foto no quadro. Está deitado aqui na mesa. Você está bem sorridente. Daqui a pouco eu bato um prego na parede e penduro.


- 28
Eu não consegui achar o martelo.
O quadro ainda está aqui na mesa, junto com um prego. Talvez amanhã eu peça pro meu chefe. Às vezes ele tem um lá na loja.


Parte 7 do conto de Lucas Beça
0

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019


Conto de Gustavo Carmo

Reginaldo acordou com a irmã lhe chamando de vagabundo e preguiçoso. Já estava acostumado. A moça, que é médica, se orgulhava em dizer que trabalhou duro desde os vinte anos (tinha trinta e cinco) e levava dinheiro para casa, enquanto o irmão de trinta, nunca trabalhou e não demonstrava o mínimo interesse em trabalhar. Vivia à toa, às custas do pai e da mãe, ficava o dia inteiro pendurado na internet, dormia de madrugada, acordava no sofá, ia para cama e só acordava de verdade ao meio-dia.

Todos os dias a irmã saía do trabalho, aos gritos, já estressada. Dia sim, dia não, ela falava tudo isso e outras coisas do irmão mais novo, que reagia aos gritos e pontapés. Mas se acostumou com o tempo. Sua irmã era o alarme que ele não precisava para acordar cedo.

0

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019


João Paulo Mesquita Simões


2019, marca os quarenta anos de relações diplomáticas entre a República Portuguesa, e a República Popular da China quando, a 8 de fevereiro de 1979, se estabeleceram bases para o estabelecimento de relações diplomáticas.
0

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019


Quando eu falei para a moça à minha frente que estou escrevendo um livro, a expressão no rosto dela me fez sentir como se eu possuísse alguma doença contagiosa e terminal.
0

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019



- 21
Hoje eu coloquei um dos muitos CDs gravados que você me deu ao longo dos anos pra tocar.
(Acho que você é a única pessoa que ainda faz isso.)
A primeira música era “Mr. Jones”, do Counting Crows.
Uma das suas favoritas.


- 22
Mesmo você sendo muito eclética, o gênero que mais tocava seu coração era o Jazz, não era?


- 23
Às vezes eu releio algumas dessas cartas e vejo a minha inconsistência em relação a você.
Às vezes escrevo sobre o que você faz, ouve, assiste; outras sobre o que você fazia, ouvia, era...
Será que as minhas esperanças estão se esvaindo sem eu perceber?


- 24
Domingo eu acordei e não quis levantar. Olhei a hora no celular. 11 horas. Fechei os olhos novamente. Uma hora depois o Robinson estava tocando a campainha.
Uma semana atrás tínhamos combinado de ir no dia da minha folga no cinema do shopping ver o tal filme de super-herói (que eu não sou muito fã) que ele queria tanto ir ver.
Eu só queria ficar ali na minha cama.
Ele insistiu, dizendo que eu tinha que sair um pouco.
O filme foi como eu esperava. Tive que ficar ouvindo ele falar e falar, na ida, na volta e dentro do shopping sobre as várias coisas que ele gosta e deixa de gostar nesses filmes.
Como eu sinto a falta da sua companhia...


Parte 6 do conto de Lucas Beça
0

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019


Microcontos de Gustavo do Carmo



Memória fotográfica
Tinha uma memória fotográfica. Um dia queimou o seu filme.


Retaliação
Temia uma retaliação pelo desabafo que fez. Quando chegou em casa, retalhou as fotos que tirou com os seus ex-colegas da pós-graduação.

0

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

João Paulo Mesquita Simões







2019, é o ano das comemorações dos 500 anos da primeira circum-navegação de Fernão de Magalhães.

Nasceu em Sabrosa em 1480, e faleceu nas Filipinas na batalha de Cebu, não tendo visto o seu sonho realizado da primeira volta ao Mundo.


Há, no plano filatélico para este ano, um selo que ainda não tem data de emissão. Assim que for oportuno, voltarei a falar deste tema.


Os selos são retirados dos sites "Lorena Filatelia" e "Filatelia temática."






0

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019


A agonia no corpo se expressa com o tamborilar dos dedos no braço do sofá enquanto tento ouvir as notícias do jornal local.
0

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019



- 17
Essa semana eu não fui te visitar.
Desculpe.
Mas do nada me lembrei de uma cena em que o Wilson fala para o House que têm televisões nos quartos de pacientes em coma porque as pessoas acham que eles podem ouvir. O House responde que se acham que eles podem ouvir, deviam instalar rádios e não TVs.
Eu nunca falei com você no hospital.


- 18
Terminei de assistir a nova temporada de Grey’s Anatomy.
Continua a mesma porcaria de sempre, como você diria.
Mas ainda é legalzinha.


- 19
Eu não sei o que escrever.
É por isso que eu não escrevo todos os dias.
Às vezes a dor é demais.


- 20
E como eu pressentia, o folhetim não deu muito certo. A locadora continua às moscas.


Parte 5 do conto de Lucas Beça
0

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019


Conto de Gustavo do Carmo

Havia uma pressão muito grande da família para que Heitor se casasse e fizesse um filho na esposa. Ele mesmo se pressionava. Já estava com praticamente 40 anos.

Queria que os seus pais tivessem um neto vindo do seu filho mais problemático emocionalmente. Ficou com inveja da irmã que engravidou e teve um lindo menino louro.
0

Arquivo do blog