terça-feira, 3 de abril de 2018

Uma saída (Parte 1/3)



“Eu estava na limpeza de zumbis nos anos 2000, sabe?”, eu disse para o alienígena gordinho e meio gosmento que havia me perguntado como que eu acabei em uma na cela de uma nave, prestes a ser condenado a viver em um planeta árido desabitado, com ele e mais outro alienígena magricelo que estava sempre sorrindo.


“Hã? Que limpeza? Que zumbis? Que tal um contexto, por favor?”

Eu revirei os olhos e sentei-me no banco no centro da cela.

“Ok. Vamos pelo começo. Eu nasci no século XIX.”

“Dezenove? Mas a sua raça não vive no máximo uns 80 anos?”

“Vai deixar eu contar ou não?”

“Tudo bem, continue...”

“Então, eu nasci no século XIX e aos quarenta anos eu fui mordido por um vampiro? Sabe o que é isso?”

“Sim, sei.”

“Pois então, eu vivi assim por mais de um século. Mas no final dos anos 80 teve um surto de zumbis. Eu acabei ficando encurralado um dia e fiquei sem sangue. Eu tava fraco pra caramba, a ponto de alguns zumbis começarem a me comer. Tá vendo essa perna mecânica? Pois é, zumbis. Eu só sei que eu desmaiei e acordei amarrado em uma maca, com um médico/cientista maluco cheio de sangue nas roupas. O desgraçado me curou do vampirismo e... bom, mesmo que tenha sido bom, deixei de fazer várias coisas incríveis que eu podia sendo vampiro. Depois de alguns anos, aos poucos nós conseguimos dizimar os zumbis. Depois disso teve a invasão alienígena na Terra e com a tecnologia conseguimos sair e explorar o espaço. E aqui estou eu, preso por fazer trambiques intergalácticos com dois alienígenas babacas.”

Eles ficaram em silêncio. O magricelo risonho ficou um pouco sério, mas não tanto assim. O gordinho gosmento então olhou para mim.

“Poxa. Bom, eu—”

“Eu não quero saber da sua história de vida.”

“Mas você contou a sua.”

“Mas eu não pedi pra você contar a sua.”

“Babaca!”, ele ficou cabisbaixo por um tempo. Depois virou-se para o risonho. “E você, quer ouvir?”

Ah-Rá! Rá Rá Rá!”, riu/gruiu o magricelo, que se levantou e foi ver o espaço pela janela.

“Mas eu quero compartilhar a minha exp—”

“Cala a boca, carinha. Simplesmente cala a boca.”

Primeira parte do conto de Lucas Beça

Nenhum comentário:

Arquivo do blog