quinta-feira, 6 de julho de 2017

Portugal na Grande Guerra (Continuação)



João Paulo Mesquita Simões



A Primeira Guerra Mundial, é lembrada pelos CTT - Correios de Portugal, com uma emissão saída a 30 de junho passado, conforme noticiei na postagem da semana passada.

Composta por três selos, e de lamentar nesta emissão, a falta de um bloco, focam os três ramos das forças armadas, com os temas: a guerra no ar da aviação militar portuguesa, a marinha na Grande Guerra e o exército português na I Guerra Mundial.


O primeiro dos selos referidos evoca o esforço operacional da Aviação Militar Portuguesa neste conflito e o sacrifício e espírito de missão dos primeiros homens do ar que participaram no conflito em 1917 e 1918. A Aviação Militar Portuguesa participou em operações em África, enviando esquadrilhas expedicionárias para Moçambique e Angola; também na Europa, onde pilotos aviadores do exército foram integrados em esquadrilhas de combate francesas; e no Atlântico, onde os aviadores se distinguiram no patrulhamento da costa portuguesa. O Tenente Lello Portela, piloto aviador com maior número de missões de combate e maior permanência na frente de batalha é a personalidade representada neste selo.

                                   
O segundo selo, dedicado à Marinha Portuguesa, homenageia as competências da Marinha na salvaguarda dos interesses do Estado nas águas nacionais, na metrópole e nas colónias, assegurando a defesa e vigilância dos portos e a navegação das principais vias de comunicação marítima. Face ao agravar das pressões alemãs sobre os territórios portugueses no continente africano, foi criado o Batalhão Expedicionário de Marinha ao Sul de Angola que, sob o comando do então Comandante Afonso de Cerqueira, combateu forças alemãs e revoltosos locais instigados por estas. Este comandante é agora homenageado neste selo da nova emissão filatélica.

                                    

Por fim, o último selo é dedicado ao Exército Português, que esteve envolvido em operações em duas frentes: a africana e a europeia, envolvendo a mobilização de cerca de 105 mil homens, dos quais 60 mil na frente europeia. Um dos maiores confrontos existentes foi a batalha de La Lys, ocorrida em 9 de abril de 1918, uma pesada derrota militar. Nesta batalha, destacou-se Aníbal Augusto Milhais, o soldado português mais condecorado da I Guerra Mundial, homenageado no terceiro selo desta emissão.


Esta emissão é composta por três selos: o primeiro selo da aviação militar portuguesa tem o valor facial de 0,50€ cada e uma tiragem de 125 000 exemplares; o selo da marinha apresenta o valor facial de 0,63€ e uma tiragem de 100 000 exemplares; e o selo do exército tem uma tiragem de 105 000 exemplares e um valor facial de 0,85€.

O design dos selos esteve a cargo do atelier Folk Design e os selos têm uma dimensão de 80 X 30,6 mm.

Texto retirado da pagela dos CTT.


N.A.: Esta postagem, bem como a da semana passada, são uma homenagem a meu Avô, combatente em França e na Bélgica, na batalha de La Lys, onde foi ferido, passou fome e foi preso pelos Alemães. 



Nenhum comentário:

Arquivo do blog