segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

RETROSPECTIVA 2016 - PUBLIQUE AGORA



Conto de Gustavo do Carmo
Publicado originalmente em 4 de abril de 2016

Só fazia dez minutos que ele estava ali. Mas parecia que já tinham passado duas horas. A fila para retirar o crachá de identificação e acesso ao moderno arranha-céu no Centro da cidade não andava. O vento do mar aterrado vinha forte. Ele não conseguia respirar. Seus ouvidos chegavam a doer.
Para alívio de Edgar, cinco minutos depois, chegou a sua vez de se identificar. Mostrou a identidade, o CPF, olhou uma webcam para registrar a sua imagem no servidor da portaria e enfim foi autorizado a entrar no hall do prédio. Um hall luxuoso, aliás. Com muito granito nas paredes, piso de mármore, vidro e detalhes em alumínio.

Teve tempo para observar porque precisou esperar mais cinco minutos na fila para o acesso ao elevador. Eram seis. Entrou na cabine do meio, mais para a esquerda. Pediu o vigésimo andar para o ascensorista.

O elevador estava cheio. Era impossível ver todo mundo que estava com ele. Fixou sua atenção apenas em um jovem e tímido rapaz negro, de óculos fundo de garrafa. Uma senhora gorda que falava em voz alta para a amiga que tinha problemas cardíacos. E um menino de aparentes cinco anos que queria mexer nos botões do elevador, mas era impedido carinhosamente pelo idoso e cansado ascensorista.

A criança insistia:

— Ah, deixa?

A mãe ralhava:

— Arthur Vítor! Qual a parte do deixa o moço em paz que você não entendeu?

Uma tela de LCD mostrava notícias como o novo ministério do segundo mandato da presidente, da atriz que assumiu romance com um empresário mexicano, da nova contratação do Corinthians e da alta do dólar. Chegou o seu andar.

Edgar saiu do elevador e logo avistou a suntuosa sede da editora de livros onde pretendia publicar o seu livro de contos. Ou melhor, republicar. A primeira que publicou o sabotou: entregou o convite apenas na véspera do lançamento (e mesmo assim porque ele foi buscar), não catalogou o livro, não registrou o código de barras, não revisou direito, sequer divulgou, colocou-o no arquivo do site logo no segundo dia após o lançamento e o site ainda estava com vírus.

O resultado? Só apareceram seus parentes, ele ficou impedido de distribuir em grandes livrarias (a editora ainda o escondeu em sua sede sem identificação na Lapa e obviamente também não distribuiu) e o livro foi um fracasso.

Apesar da grandeza, a editora só ocupava duas salas do luxuoso edifício. Mesmo assim, a decoração era de igual refinamento.  Edgar demorou para encontrar o portão de vidro. Precisou tocar o interfone para a porta ser aberta.

Entrou e encontrou, na recepção, uma senhora loura, de uns cinquenta anos, atrás de uma bancada de madeira trabalhada. Ele retirou da sua pasta preta o calhamaço encadernado em espiral na papelaria do bairro de subúrbio onde mora e se anunciou:

— Boa tarde. Eu queria deixar esses originais para avaliação.

Com muita pouca vontade, cara amarrada, a recepcionista pegou a encadernação com desdém. Só faltou pegar com uma pinça para não sujar a mão. Ela disse com a sua voz anasalada:

— Espere um minuto que eu vou entregar para o editor.

Levantou-se abruptamente da cadeira. Antes de entrar em uma porta de alumínio polido, contrastando com o papel de parede em tom pastel personalizado, com a logomarca da editora, abriu a porta automática de vidro para o jovem negro e tímido que estava no elevador com Edgar.

O rapaz também entregou um calhamaço igualmente encadernado em papelaria. Repetiu as palavras de Edgar:

— Boa tarde. Eu queria deixar esses originais para avaliação.

Com a mesma falta de vontade, ainda de cara amarrada, a recepcionista pegou a segunda encadernação com o mesmo nojo. Repetiu o que havia dito:

— Vou entregar os originais de vocês para o editor.

Os sofás de espera eram de couro preto e havia livros da editora à disposição para aqueles que aguardavam. Edgar e o rapaz sentaram-se em um deles, que tinham três lugares cada.

Edgar pegou um dos livros e leu a sinopse. Era um romance adolescente sobre vampiros. Odiava esse assunto. Devolveu-o imediatamente à mesa de cabeceira, mas o seu colega de aspiração lhe pediu.

 Perto da porta havia um cartaz em tamanho natural da série de livros de um famoso bruxo, escrito por uma inglesa. Na parede, a foto de uma escritora e atriz brasileira, famosa por seus romances policiais.

Mesmo se gostasse, Edgar não conseguiria ler o romance dos vampiros, pois quatro moças, sentadas no sofá perpendicular ao dele, conversavam alto sobre o teste de estágio que tinham feito  na semana anterior. As quatro eram bonitas, mesmo uma sendo gorda. Eram duas morenas, uma ruiva e uma loura, que era a gordinha. Edgar já começava a demonstrar impaciência.

O jovem rapaz, ao contrário, conseguia ler o livro com vontade. Mas parou a leitura para tentar vencer a sua timidez e puxar assunto com Edgar.

— Eu vi que você também está tentando publicar um livro. É sobre o quê?
— É uma coletânea de contos de terror. E o seu?
— É um romance ambientado numa UPP numa favela. Eu tinha escrito um roteiro e tentei entregar para um famoso cineasta babaca, que além de me acusar de perseguição ficou debochando do meu texto na imprensa. Eu só estava correndo atrás do meu objetivo, como sempre me mandam fazer.
— Essa gente só produz e publica os trabalhos dos amigos. Quer apostar que eles vão negar os nossos livros?
— Pelo menos a gente está tentando, né?  Comentou o jovem negro, resignado.
— Ah, mas um dia isso tem que acabar.
Sem graça, o jovem perguntou o nome do homem com quem conversava.
— É Edgar Alan Pontes. Um dia você vai ouvir falar muito sobre mim. Ele estendeu a mão. 
— Prazer, Wesley dos Santos.

Enquanto os dois apertaram as mãos, a recepcionista loura, com cara amarrada, voltou à recepção batendo a porta e dizendo para uma das meninas.

— O chefe mandou a Luana entrar. 

A morena de seios e ancas grandes se animou e foi em direção à porta de alumínio sob desejos de boa sorte das amigas.

— Quanto a vocês — a recepcionista continuou com a mesma carranca — o editor não aprovou o romance do Wesley e mandou dizer que a editora não publica contos.

A expectativa deu lugar à decepção em Wesley, que se levantou para pegar a sua encadernação e ir embora. Revoltado, Edgar contestou:

— Como assim, não publica contos? Acabei de ver um livro de contos daquela mesma escritora ali! Disse, apontando para o quadro da moça morena na parede.
— Mas ela é nossa contratada. Ela pode.
— E nós não podemos? Vocês não podem contratar a gente? Só contratam os amigos e a amante do editor? Ele, aliás, sequer leu o livro do Wesley.

Antes de se encaminhar à porta, Wesley tocou de leve o ombro do novo amigo e tentou dissuadi-lo.

— Deixa isso pra lá, cara. Vamos embora.
— Espera aí! Bloqueou-o, segurando pelos seus braços.

Até então, a recepcionista mal-humorada ouviu em silêncio as indagações de Edgar, que começava a se exaltar, reagiu.

— Olha, se o senhor não se retirar daqui eu vou chamar a polícia.
— Pode chamar! Pode chamar! Eles vão saber que eu tenho uma bomba aqui! Gritou.

Edgar levantou a camisa e mostrou um cinto que parecia conter diversos artefatos explosivos. As três moças gritaram. A ruiva magrinha urinou no chão de tão nervosa.

— Se não publicarem o meu livro e o do meu amigo aqui — disse apontando para Wesley — eu detono e explodo todo mundo nessa joça! Ameaçou, gritando.

Com medo de ser tratado como cúmplice, Wesley se explicou para a recepcionista.

— Olha, eu não tenho nada a ver com esse louco, não, hein! Eu vou embora.

Wesley sentiu um cano em sua cabeça. Era Edgar, que sacou um revólver que estava guardado em sua pasta.

— Eu disse pra você esperar!

O jovem rapaz, que não era tão tímido quanto aparentava levantou os braços e implorou.

— Não faz nada comigo, não. Cara. Eu tenho pais me esperando em casa.
— Eu também tenho. Senta lá com as meninas.

Wesley foi de encontro às meninas que choravam no sofá do canto da sala de espera. Já Edgar correu para a bancada da recepção e, apontando o revólver para a recepcionista loura mal-humorada, exigiu que ela desligasse a porta e a trancasse com a chave.  

Luciana, a recepcionista loura antipática, já tinha chamado a segurança através do alarme silencioso. Em cinco minutos o andar já estava interditado e totalmente ocupado por seguranças e policiais. O edifício também foi evacuado por motivo de ameaça terrorista. O balcão de identificação dos ventos uivantes interrompeu o serviço.


A imprensa já estava no local. Anunciava como primeiras informações que um fundamentalista muçulmano tinha invadido o moderno arranha-céu do centro da cidade e que estava com uma bomba. Plantão ao vivo em todas as emissoras, mas Edgar ainda não tinha aparecido na janela. E nem dava, pois o prédio era todo envidraçado, a editora ficava em andar alto e ninguém iria escutar.  

Nenhum comentário:

Arquivo do blog