quinta-feira, 12 de maio de 2016

Castelos de Portugal - Parte 9 - Castelo de Almourol, conclusão



João Paulo Mesquita Simões


Ribatejo! O Castelo de Almourol é um dos locais mais lendários desta zona. Está situado numa pequena ilha do Tejo com 310 m de comprido por 75 m na maior largura e 18 m de altitude acima do nível de estiagem, este afloramento granítico que divide quase a meio o Tejo, a breve distância de Vila Nova da Barquinha e Constância. Onde os penedos são mais subidos, ergue-se o castelo de construção romana.


     Gualdim Pais, mestre dos Templários, mandou erguer ali em 1171 sobre as antigas fortificações romanas, este castelo. Imponente, procura o espelho das águas para mil reflexos, parecendo intimidar quem lá passe. É talvez um dos castelos mais deslumbrantes de Portugal para além de estar ligado a algumas páginas da Literatura como por exemplo “Palmeirim de Inglaterra” de Francisco Morais.

     Tomado aos Mouros no reinado de D. Afonso Henriques, e por se encontrar no território confiado à Ordem dos Cavaleiros do Templo, que assegurava a defesa do Tejo.

     De planta quadrada, a torre de menagem tem dois pavimentos, agora de madeira, encontrando-se esculpido no segundo pavimento o antigo emblema templário, a cruz patesca. Ameias, seteiras, adarves, pequenos eirados, escadas de pedra, movimentam volumes e espaços.

(Baseado em “ Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal” e “Descubra Portugal – Ribatejo)



     Em Filatelia, este selo com este castelo foi desenhado pelos autores dos anteriores e pertence ao 7º grupo dos “Castelos e Brasões de Portugal”. Litografado na Imprensa Nacional Casa da Moeda, teve a sua circulação desde 19 de Janeiro de 1988 até 31 de Agosto de 1995. Com tiragem de 1 000 000 de exemplares esmaltado a papel “F” e denteado 12 x 12 ½.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog