sábado, 4 de abril de 2015

TUDO NA CABECEIRA - O QUE EU ESTOU LENDO: DOIS IRMÃOS

Por Gustavo do Carmo 


Desde o ano passado comecei a ler também livros digitais após a compra de um tablet (Samsung, porque o NavCity que eu comprei primeiro era impraticável e consegui o dinheiro de volta). Ultimamente estava lendo A Felicidade é Fácil, segundo romance do repórter da Rede Globo, Edney Silvestre. Mas abandonei porque o livro é ambientado em São Paulo, com referências (e exaltações) demais vindas de um autor fluminense.

Decidi, então, passar para a versão digital do romance Dois Irmãos, de Milton Hatoum. Eu li a amostra do Google Play. Como gostei dos dois primeiros capítulos decidi comprar o e-book (por R$ 21,50). Quero estar por dentro quando a Rede Globo começar a exibir a minissérie baseada no livro, estrelada por Antônio Fagundes, Antônio Calloni, Eliane Giardini, Cauã Raymond, Juliana Paes e Barbara Evans (filha da modelo Monique Evans). O problema é que a adaptação está sendo dirigida pelo complicado Luiz Fernando Carvalho, que costuma viajar na maionese em suas produções.

Já o livro é ótimo. Envolvente, bem escrito e sem frescuras poéticas. Você entende logo o que o autor quer dizer. Com qualidade, Hatoum, através do seu narrador, o filho da empregada da família da trama, nos transporta para Manaus, às margens do Rio Negro, aparentemente na primeira metade do século passado, pois não há uma referência cronológica, mas é certo que é uma cidade ainda com ares de interior.  

Milton Hatoum
Hatoum, também manauara e descendente de libaneses, nascido em 1952, estreou na literatura em 1989 com o romance Relatos de um certo oriente. Em 2000 publicou Dois Irmãos e ganhou o Prêmio Jabuti, o mais importante da literatura nacional, de melhor romance no ano seguinte. O prêmio foi dado ao primeiro romance e também a Cinzas do Norte, que ele publicou em 2005. Os outros dois livros de sua autoria são Órfãos do Eldorado (2008) e a coletânea de contos A cidade ilhada. As memórias familiares, a desestrutura familiar e leves discussões políticas são características dos seus textos. 

Editado pela Companhia das Letras (editora paulista que acabou de comprar a carioca Objetiva através de sua controladora Penguin Books), Dois Irmãos narra a história de Yakub e Omar. Apesar deste último ser chamado várias vezes de "O Caçula", os dois são gêmeos. Omar nasceu cinco minutos depois. Ambos são filhos do casal de origem libanesa Halim e Zana, uma mulher manipuladora que nutre uma paixão obsessiva (por enquanto, apenas maternal) por Omar, o bon vivant da família que passa por alguma dificuldade financeira. 

Os dois irmãos se separam após brigarem pelo amor de uma mesma mulher: Lívia. Ao ver o irmão de mãos dadas com a vizinha em uma sessão de cinema caseiro, Omar, dominado pelo ciúme, acerta a cara de Yakub com uma garrafa. Com a face direita, o "mais velho" vai para o Líbano e lá passa cinco anos. Mais um tempo, Yakub parte para São Paulo, onde se forma em engenharia e constrói a sua vida e a sua própria família. Os dois irmãos ficam anos separados e sem se falar. 

Outras histórias paralelas envolvem o narrador da história, filho da empregada Domingas, e Rânia, irmã mais nova dos gêmeos, que vive dispensando seus pretendentes. O narrador, que ainda não teve o seu nome revelado até onde eu li, acredita que o seu pai é alguém da família onde a sua mãe, uma índia, trabalha desde moça, quando foi adotada por Zana, entregue pela dona de um orfanato onde morou após ficar totalmente órfã. O narrador também testemunha um incesto, mas ainda não foi dito entre quais personagens. 

Estou no quarto dos doze capítulos, na página 78 das 205. No momento, Zana descobre o namoro de Omar com Dália, uma dançarina da Maloca dos Barés, um cabaré. Sentindo-se traída, ela humilha a candidata a nora e planeja a partida do filho para São Paulo. Yakub se dispõe a alugar um quarto e pagar os estudos em uma escola particular, mas nega abrigo ao irmão. Bem, vou parar por aqui. 

Só confesso que estou demorando propositalmente para ler o livro, para que a história não acabe tão rápido. Dá para ler em uma semana. Estou lendo há duas. 


Nenhum comentário:

Arquivo do blog