sábado, 18 de abril de 2015

"Charlando" com Álvaro Pombo em Bilbao

TEXTO : WEVERTON GALEASE
COLABORAÇÃO : AZKUNA ZENTROA

 Álvaro Pombo (Santander, 1939), membro da Real Academia de Letras desde 2002, é um dos mestres intocáveis da literatura espanhola contemporânea, suas obras traduzidas em várias línguas, fazem parte de um gênero em que nunca abandonou, a poesia, criando ramificações para a narrativa, dando um ênfase crítico à filosofia.
 Mas o porquê deste também gratificado por grandes prêmios, de participar do Festival Internacional de Letras de Bilbao, e mais, se tratando de um tema que pra ele, se ilustra a um 'tabu'.
  
      "A HOMOSSEXUALIDADE PRECISA DE INVENTAR UMA LINGUAGEM AMOROSA"
  
 Álvaro Pombo é o avô "cool" que o mundo das artes espanhol adotou. Romancista, poeta, é um assumido homossexual, que atravessou décadas carregadas de repressão, ao qual para ele, nos tempos atuais, já é mais 'liberal' o assunto. Segundo o Álvaro, sua sexualidade nasceu clandestina. Ao qual sente-se perplexo com tanta manifestação do orgulho gay. Destaque para uma de suas obras, que abrange o tema, 'CONTRA-NATURA', que dá voz a sua perplexidade. 


 Passado romance este que conta com quatro personagens, sendo dois homens e duas mulheres, a trama vai se revelando aos poucos ao tema, até então Álvaro não havia trabalhado com com os gostos próprios em tal alcance, construída sob uma estrutura psicológica fina, ao qual explica o complexo das não-uniões entre homens e mulheres, nos personagens, abre-se fogo a um jogo extraordinário de sedução.
 Neste romance, todos os 'sintomas' do tema são abordados, compaixão; posse; insegurança; medo; memória; culpa; beleza; boa parceria; desconfiança; prazer; o amor em germinação de 'eus' e dramatização de consciências. O livro é considerado a melhor narrativa poética de Álvaro. Veja a sinopse, abaixo.

'Javier Salazar, um brilhante editor aposentado, leva uma existência confortável no seu apartamento de Madrid, chegado a uma idade em que se dá por satisfeito por finalmente a vida lhe ter sido graciosa… Até que, uma tarde, interrompe as suas leituras para dar um passeio pelo parque. Aí conhece o jovem Ramón Durán, com quem troca alguns gracejos e conversa.O começo da relação entre ambos dará início a uma série de preocupações que, lentamente, se vão insinuando na consciência de Salazar: uma consciência atormentada, reservada, ambígua. Quando reaparece Juanjo, um antigo professor de Ramón Durán, a relação torna-se um perigoso vórtice que os envolve.'

*O livro contém 573 páginas. Custa em média 24 euros.

 Para seguir no Festival, Álvaro Pombo contará com a participação do poeta, tradutor e pintor espanhol, nascido em Salamanca (1967), Juan Antonio González-Iglesias. Atualmente é professor de Latim na Universidade de Salamanca.
 González-Iglesias publicou seu primeiro livro em 1993, intitulado 'A Beleza do Herói', título que recebeu o Prêmio Vicente Núñez . Já o seu livro 'Eros' ganhou o Prêmio Internacional de Poesia, da Fundação Loewe, em 2006.

JUAN ANTONIO GONZÁLEZ-IGLESIAS

RARAS VEZES A BELEZA É SUBVERSIVA 

Raras vezes a beleza é subversiva.
Raras vezes a formosura
é qualidade moral.
 Somente no equilíbrio
quando já não é beleza transmitida
e
ainda não é beleza transmissível,
quando
é apenas mensurável com as mãos
de outro. 
E ainda assim
nem sempre o broto o novo membro
recebe a surpreendente rega
da seiva rebelde.
Raras vezes a formosura
alcança qualidade de delinquência.
Mas quando acontece
como não estremecer-se ante o milagre
da mirada perigosa, piscar de olho
que o instinto já indicou, a cultura
e a natureza em aliança,
movidas a esplendor dentro de um corpo?

Também fora do corpo. Sobre o mundo.
Ao mesmo tempo luminosa e destrutiva
a formosura do herói
como o raio
como vivo sinal do divino.


Ainda na mesma noite, há o espetáculo 'Síndrome de Estocolmo', um grupo de caras conhecidas no mundo da cultura, fala de questões cotidianas, claro, abordando o tema do erotismo.

'Não é teatro, não é um talk-show, não é um concerto, não é uma dança, não é uma palestra, vai depender muito de quem estiver presente, para tirar suas conclusões do espetáculo' , afirma a direção.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog