terça-feira, 31 de dezembro de 2013

A DESPEDIDA NO ANO NOVO



Conto de Gustavo do Carmo

Dez, nove, oito... milhões de pessoas vestidas de branco faziam contagem regressiva para o ano novo na praia de Copacabana.  Quadras antes da orla, os aparelhos médicos de monitoração bipavam ao ritmo dos últimos segundos do ano velho.

Edith agonizava no CTI. Tinha se jogado da janela do seu apartamento mal cuidado no décimo-primeiro andar do prédio onde morava solitária na Vinícius de Moraes na noite de natal. Foi socorrida lúcida. Pediu até um cigarro para os bombeiros que a socorreram. Mas seu estado se agravou horas depois e ela foi transferida para o CTI. Tinha sofrido múltiplas fraturas, principalmente no tórax e na cabeça.

Sete, seis, cinco... a contagem regressiva era repetida na maioria dos lares da cidade. Algumas com as luzes apagadas, mas iluminadas de forma intermitente pelos piscas das decorações natalinas.  O gráfico de pulsação oscilava preguiçosamente.

O ex-marido, os dois filhos e até a irmã de Edith estavam alheios à expectativa do ano novo. Faziam planos para o futuro da ex-esposa, mãe e irmã caso se recuperasse. Antônio estava procurando psicólogos para iniciar um tratamento contra o vício em jogo de Edith. Os filhos, já adolescentes, voltariam a morar com a mãe. E Judite estava decidida a perdoar a irmã.

Quatro, três, dois, um... Feliz Ano Novo! Gritava a multidão na praia. As famílias estouravam sidras, espumantes, prossecos e champanhes em seus apartamentos, casas, barracos e iates. Os traficantes davam tiros para o alto com suas balas traçantes.

As enfermeiras e técnicas de enfermagem, vestidos de verde, se cumprimentavam moderadamente em respeito aos pacientes. Uma equipe foi interrompida porque o aparelho monitor do box de Edith no CTI trocara o bipe intermitente pelo apito contínuo.

Edith estava livre do vício em jogos e aquele cigarro que pediu quando foi socorrida fora realmente o último. Não precisaria fazer tratamento e nem força de vontade para largar o vício em nicotina. Não resistiu aos ferimentos da queda do décimo-primeiro andar.

Seu ex-marido, dois filhos e irmã se abraçavam aos prantos, indiferentes às comemorações do novo ano que começava naquele momento.



Nenhum comentário:

Arquivo do blog