segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A DISPERSÃO DE UM SKOOBER


Crônica de Gustavo do Carmo

O Skoob é uma interessante rede social em que os seus usuários compartilham e avaliam livros em vez de fazer comentários sobre programas ruins de TV e fotos de viagens, comidas, baladas, bichos, filhos, ideologias políticas, etc.

Achei interessante e me cadastrei assim que eu li uma matéria no suplemento literário do extinto Jornal do Brasil. Falei até bem dele no meu blog Tudo Cultural. Foi trabalhoso incluir os livros que eu li, mas incluí. Tentei uma entrevista com o criador da rede, um programador de Realengo, mas quando pude mandar as perguntas, não fui respondido. Esta foi a primeira decepção.

Uma das características do Skoob é reunir pessoalmente seus usuários para tentar criar amizades fora do mundo virtual da internet. Depois de várias “Reuniões dos Skoobers”, como são chamadas, no Rio e em São Paulo, fui à minha primeira, em um restaurante no Botafogo Praia Shopping.

Me diverti bastante. Ri muito, fizemos jogos, reencontrei uma ex-colega de oficina literária, encontrei uma amiga da minha irmã e ainda ganhei dois livros que a organizadora dos encontros recebia das editoras que patrocinavam a rede social. Não gostei e os dei para a minha irmã. O único aborrecimento foi um cara me enchendo o saco tentando me convencer a fazer um concurso público.

Meses depois fui a um segundo encontro, desta vez no Shopping Nova América, mais perto de onde eu moro (no subúrbio). O encontro também foi agradável, mas deste já não me lembro dos bons momentos.

Só tenho lembranças, mesmo, é do terceiro encontro. E lembranças desagradáveis. Eu tinha chamado os meus então adoráveis colegas de pós-graduação. Não apareceu ninguém. Ainda bem, senão eu ia passar um baita de um vexame.

Cheguei cedo ao mesmo restaurante da reunião anterior. A organizadora, que parecia ser simpática comigo em contatos pela internet, já estava lá, almoçando com os amigos dela. Fui falar com ela e aí que tive a minha segunda decepção com o Skoob.

Ela disse secamente que estava almoçando e daria início a reunião depois. Sequer me convidou para sentar à mesa e muito menos não me apresentou a ninguém. Me senti um intruso da privacidade alheia. Um inconveniente. Fiquei sentado sozinho em outra mesa distante. Pedi meu lanche, acho que uma pizza, não me lembro.

Mais de uma hora depois, a “reunião” de fato começou. Só que na mesa da panelinha da organizadora não havia espaço para mim. Voltei para a mesa onde eu estava e tuitei que eu me programei para ir à Reunião dos Skoobers, mas participei da “Dispersão dos Skoobers”, dando graças a Deus por ninguém da minha faculdade ter aparecido.

Chateado, ainda tive a educação de me despedir da organizadora, de quem já não lembro mais o nome e nem faço questão de tentar lembrar. Sem graça, ela ainda queria me dar o livro A Rede Social, a biografia do criador do Facebook. Menti dizendo que já tinha. Eu não queria mais livro nenhum. Só queria ir embora.

Me deu vontade de deletar o meu perfil no Skoob naquele dia mesmo, mas continuei porque gosto da ferramenta que eles têm de soltar automaticamente no Twitter que eu estou lendo, vou ler ou já li determinado livro. E também gosto de organizar a minha fila de livros para ler.


Esta história aconteceu há três anos. Estou desabafando somente agora porque lembrei deles ao perceber que não ganho nenhum dos livros (da minha escolha) que eles sorteiam.  Acho que só os amigos dos donos que devem ganhar. Reunião dos Skoobers? Não vou nunca mais. 

Nenhum comentário:

Arquivo do blog