segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Conto de Gustavo do Carmo 



Toca o celular. Selton atende e ouve uma voz conhecida, mas de péssimas lembranças. 


— Alô, Selton? 


Ele desliga o celular. Queria evitar conversa com aquela senhora desagradável. O celular tocou novamente. 

0

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Por dudu oliva




0

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

João Paulo Mesquita Simões

Acabado o ano de 2012, resta-me desejar-vos um ótimo 2013, cheio de saúde, paz, e mais alguma coisa que cada um de vós precise.
Este link, representa o Plano de Emissões dos CTT-Correios de Portugal, saídas durante todo este ano.

http://issuu.com/sfaac/docs/plano_emissoes_2012/1#share

Mais uma vez votos de Boas Festas a todos os Leitores da minha rubrica.
0

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Conto de Gustavo do Carmo



— Ho ho ho! O que você vai querer de Natal, meu filho?
— Um emprego e uma namorada.
— Ho ho ho! O emprego é pro seu pai?
— Não. É para mim mesmo.
— Você? Mas tu és tão novo, meu filho?
— Novo? Mas eu já tenho 32 anos, Papai Noel!  Meu pai tá me cobrando isso há dez anos! Antes fazia chantagem pelo emprego. Agora está exigindo que eu me case!
0

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Por dudu Oliva


0

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

João Paulo Mesquita Simões


Noutros tempos, aqueles em que não tínhamos um aparelho destes para mandar mensagens, fazer blogues, ou consultar uma outra página da Internet, o que fazíamos?
Noutros tempos, por esta altura, a época Natalícia, dirigia-mo-nos a uma papelaria, compraríamos um postal de Natal, escreveríamos os nossos desejos de Boas Festas, meteríamos o postal dentro de um envelope dirigido à Família ou aos Amigos, íamos aos Correios, compraríamos um selo que colocaríamos na carta, e enviávamos aos destinatários.
Hoje já não é bem assim.
Embora tenha lido que os correios tiveram um aumento de cartas nesta quadra, os meios eletrónicos continuam a ser os mais apetecíveis, pois chegam ao destino mais rapidamente. 
Mas eu, como filatelista, tenho aqui uns tantos postais de Natal que faço questão de os enviar pela maneira tradicional. Colar o selo!
Aquele sabor à goma... Desculpem a frase, mas dá gozo lamber um selo e colá-lo numa carta!
Lembra-nos o tempo em que milhões de cartas circulavam pelo mundo com milhões de selos colados ao invés de milhões de e-mails circulados pela Internet.
Por isso, caros amigos Leitores: Façam como eu. Enviem as Boas Festas à boa maneira tradicional, colando o selo no postal ou no envelope. Assim, estão a contribuir para que este não se extinga.
Com este apelo, desejo-vos a todos um Feliz Natal!
0

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012


Por dudu oliva




0

sábado, 8 de dezembro de 2012

Conto de Gustavo do Carmo



Nunca se atrasava, mas era sempre o último a chegar. Na escola, na faculdade, no trabalho, nos eventos familiares... na vida.

Zulmiro era o último filho de cinco irmãos. Quando a sua mãe estava grávida, várias colegas de trabalho dela também esperavam seus filhos. Algumas esperavam o primeiro, outras o segundo e as demais, o terceiro. Uraniana esperava seu último. Depois que Zulmiro nasceu, teve uma complicação no parto e ficou estéril.

0

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Por dudu oliva





0

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

João Paulo Mesquita Simões

A Filatelia não é só o ato de colecionar selos. Podemos fazer dela, outras atividades.
Escrever, seja em blogues, páginas da internet, jornais, revistas, livros, é uma forma de difundir a Filatelia. Porém, as conferências, palestras, alocuções, são também outra forma de divulgar.
Há até a possibilidade de fazer um estudo paralelo entre países e a forma de colecionar em cada um deles.
A partir deste estudo, podemos chegar a várias conclusões e, além disso, poder editar um livro, um artigo sobre o assunto.
Chama-se a isto colaboração.
Entre dois ou mais países, poder-se-ão fazer estudos comparativos das formas de colecionismo de cada um, com explicações, imagem, e porque não video-conferência?
Publicar estes estudos de forma a que outros colecionadores  e público em geral tenham uma noção daquilo que se pratica ao nível do colecionismo filatélico noutros países.
É isto que penso fazer num futuro próximo, e, caso o(s) meu(s) colaborador(es) não se importar(em), deixarei aqui umas postagens para que as possam ler e tirar as vossas conclusões.
0

sábado, 1 de dezembro de 2012

Conto de Gustavo do Carmo




Foi chamado para trabalhar na afiliada da maior emissora de televisão do Brasil. O diretor de jornalismo ligou pra ele e marcou uma entrevista para o dia seguinte. Confiante, Orlando teve que se deslocar de Teresópolis até Nova Friburgo, em uma desconfortável viagem de uma hora e meia de ônibus.

0

Arquivo do blog