sábado, 9 de junho de 2012

ESQUECENDO UMA PAIXÃO

Por Gustavo do Carmo



— Amigo, tomei uma decisão muito importante na minha vida!
— Qual?
— Vou esquecer a Letícia Cristina.
— Sério?!
— Seríssimo!
— Tem certeza?
— Absoluta.
— E se você a vir passando na rua?
— Vou fingir que não a conheço.
— Mesmo com aquela beleza toda dela?
— É claro.
— A Letícia Cristina é muito linda. É impossível ignorá-la.
— Mas eu ignoro.
— Ontem eu estive com ela.
— É mesmo?
— Sim.
— E daí?
— Daí que ela me perguntou por você. Por onde você anda.
— E o que você respondeu?
— Ué! Você não disse que ia esquecê-la.
— E vou esquecer.
— Se vai esquecer, porque, então, quis saber o que conversamos?
— É que eu gosto de saber o que falam de mim.
— Tá bom. Severino riu. Vou fingir que acredito na sua firmeza.
— E estou firme mesmo. Não quero mais saber da Letícia Cristina.
— Eu disse que você ainda está apaixonado por ela.

Geraldo grita, batendo a mesa da lanchonete:

— Porra! Pra que você foi falar isso pra ela?! Não dá pra confiar em você, hein! Se levanta e encosta a cadeira com força.

— Calma. Ela ficou toda animada quando eu disse isso. Perguntou se você estava namorando.

É ignorado pelo amigo que falava, foi até o caixa.

— Ô, Geraldo! Vem cá! Eu acredito na sua firmeza. Vamos voltar. Prometo mudar de assunto.
— Eu estou dizendo que vou esquecer a Letícia Cristina e você continua falando dela. Parece que fica me testando. Que não está confiando em mim.
— Bem, na verdade eu estou te testando sim. Eu confio em você. Mas duvido que você vá esquecer a Letícia. Só de me comunicar isso você já está demonstrando que não vai conseguir esquecer.
— Te comuniquei porque confiava em você. Agora não confio mais. Vou pra casa.
— Peraí. Volta. Tá bom. Eu acredito que você vai esquecer a Letícia Cristina.
— Vou esquecer não. Já esqueci.
— Esqueceu nada. Vamos apostar que mês que vem você ainda estará falando nela?
— Vamos.  

Eles apertam as mãos entre si.

— Se você esquecer a Letícia Cristina eu te arranjo uma namorada. Se não esquecer eu fico com ela.
— Tchau. Vou embora. Disse Geraldo, aborrecido.
— Aí! Tá vendo como você não vai esquecer? Tá até com ciuminho.

Geraldo continuou ignorando o amigo. Desta vez, deixou definitivamente a lanchonete e Severino falando, rindo sozinho e debochando do rapaz inseguro.

— Duvido que ele esqueça. Falou alto para si mesmo.

Já na rua, caminhando, Geraldo repetia em pensamento, como um mantra:

— Eu vou esquecer a Letícia Cristina. Eu vou esquecer a Letícia Cristina. Eu vou esquecer a Letícia Cristina.
— Oi, Geraldo! Disse Letícia Cristina, sorridente e simpática. Bela como sempre.

Advogada, estava de terninho vermelho sobre uma pequena blusa de malha branca, cobrindo bem os seus seios médios. Seus cabelos negros e soltos, contrastando com a pele clara, se esvoaçavam ao vento. Os sapatos de salto mal faziam barulho nos paralelepípedos da barulhenta rua do centro da cidade.

Vinha em sentido oposto ao de Geraldo, que apenas sorriu gentilmente. Pensou nela durante a viagem inteira de volta ao subúrbio onde morava. Letícia voltava do trabalho, a caminho da lanchonete onde Geraldo estava com Severino. Este a esperava, ansioso por seus beijos apaixonados. 

Nenhum comentário:

Arquivo do blog