sábado, 30 de outubro de 2010

MICROCONTO - FAMÍLIA


Por Gustavo do Carmo

Leito:
No leito de morte, o pai implorou ao filho para que ele estudasse para um concurso público. Seus aparelhos foram desligados.

Brincadeira:
Adorava fingir para o filho que tinha morrido. O rapaz se desesperava no início, mas sacou a artimanha. Um dia descobriu que não era brincadeira quando o corpo começou a putrefar.

Tatuagem:
Quando seus dois filhos nasceram tatuou o rosto das crianças em cada braço. Vinte anos depois, decidiu fazer uma cirurgia para removê-las. O casal de filhos o traiu, roubando-lhe todo o seu dinheiro guardado.

Reunião:
De tanto ouvir a mãe o tio falando do reencontro das famílias de ambos os pais, o menino sonhou com o mesmo entre os seus. Cresceu e esteve para se casar. Realizou o sonho de reunir as famílias dos pais divorciados. Mas não teve festa porque a noiva o abandonou no altar para ficar com seu amigo.

Mal-amado:

Era tão mal amado pela família que quando ele morreu ninguém pressentiu nada.

Gás:

Ligou o gás para se suicidar. Matou a família inteira com a explosão na cozinha. Ele sobreviveu.

Incomunicável:

Desesperou-se quando ficou incomunicável com a família. Foi quando aconteceu de tudo.

Dúvida:

Não teve dúvida. Comprou uma bicicleta, casou-se e formou uma família de ciclistas, com a exceção da filha do meio, que virou freira.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog