sábado, 2 de outubro de 2010

ALIANÇA


Por Gustavo do Carmo

Acordei com um negócio dourado reluzindo no meu dedo. Mais precisamente no anelar direito. Era uma aliança. De noivado. Nunca namorei na minha vida. Nem sei como essa joia brilhante foi parar na minha mão, envolvendo a minha falange.

Puxando a minha memória não consigo me lembrar onde arrumei essa aliança. Será que eu fiquei bêbado? Será que no meu período de suposta embriaguez alguma mulher colocou a sua aliança no meu dedo? Será que alguém me dopou? Caí no golpe Boa Noite Cinderela às avessas? Será que quando acordar vou ter que me casar com uma mulher feia, preta e gorda?

Que interesse teria alguma mulher de me dar um golpe da barriga? Sou feio, gordo e, ainda por cima, pobre. E desempregado. Mal tenho renda. Me sustento com a aposentadoria que a minha mãe deixou ao morrer e eu não comuniquei ao INSS.

Mas agora consegui me lembrar. Gastei o seguro-desemprego, que ganhei do meu último emprego de office-boy de uma distribuidora de peças, numa aliança de ouro de baixo quilate. Mandei gravar o nome da minha noiva imaginária e terminei o dia no bar da rua da joalheria, enchendo a cara.

O ajudante do dono do bar e alguns bebuns de plantão me trouxeram de volta pra casa. Me deixaram na minha cama, tiraram meus sapatos, minha calça jeans e meu casaco. Me cobriram, me deram um beijo paternal de boa noite, apagaram as luzes e foram embora.

E hoje acordei com esta aliança de noivado reluzindo no meu dedo anelar direito. Uma aliança que eu nunca vou usar de verdade, já que eu nunca vou ficar noivo de alguma mulher na minha vida. É apenas um sonho.


Nenhum comentário:

Arquivo do blog