sábado, 18 de setembro de 2010

DIÁLOGOS


Por Gustavo do Carmo


Procura

— Por que você nunca mais me procurou?

— Porque você me mandou não me dirigir mais a palavra.


Ronco

— Amor, você ronca na cama igual ao seu pai.

— Como é que você sabe?



DST

Queriam muito ter um filho. Depois de muitas tentativas, o marido perguntou:

— E aí, amor: engravidou?

— Não! Contraí uma DST de você!


Assassino

— Matei! Matei sim porque ela era muito bonita e me hipnotizava com os seus olhos verdes! Queria ver algo de feio nela! Confessou o louco que teve que pagar apenas pelo prejuízo da loja por causa do manequim que ele havia quebrado.


Cadáver

— Mamãe, olha só o que eu achei no lago.

Posso ficar com ele?

— Não! Devolva AGORA esse cadáver onde você achou!


Ordem

—William! Desliga já esse computador!

— Ah! Deixa eu ficar tuitando só mais um pouquinho?

— Não! Amanhã você precisa acordar cedo para levar as crianças para a escola e se reunir com a gente para discutir a pauta do telejornal.


Telefone

— Filho! Telefone pra você!

Depois de um minuto, a mãe pergunta:

— E aí, filho? Oferta de emprego?

— Não. Mais uma ameaça de morte.


Multi-tarefa

— Como ele consegue escrever vendo televisão, lendo jornal, ouvindo rádio, acessando à internet e conversando?

— Ele não consegue. Por isso que os seus textos são mal escritos por falta de atenção.


Porta

Depois de atender a porta, o rapaz volta desanimado para o quarto. Sua mãe pergunta:

— Foi a felicidade que tocou a campainha, filho?

— Não. Foi o oficial de justiça me notificando do processo que eu vou levar por criticar uma pessoa.


Discussão

— Não me procure nunca mais! Eu amo o meu marido!

— Mas você está grávida de mim.

—Estava. Já abortei.

— Então, tá.

Discutiram a mulher casada e seu amante.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog