quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Teclas, o Filatelista

João Paulo Mesquita Simões


O Teclas é um adolescente de 14 anos, bastante inteligente e distraído.
Só vivia para uma coisa – A Internet! Era tão absorto pela net, que passava o dia a navegar por todos os sites de música, MSN para conversar com os amigos. Contudo, era um bom estudante, com muito boas notas.
Chamavam-lhe Teclas por passar tanto tempo agarrado ao computador. O seu verdadeiro nome era José Pedro, mas a família e amigos tratavam-no por Zeca.
Mas vamos continuar a chamar-lhe Teclas.
Um dia, o Teclas andava muito bem a navegar no seu computador a fazer uma pesquisa na Internet. Era para um trabalho para a escola.
A dada altura da sua pesquisa, apareceu-lhe um sítio com imagens de selos. O Teclas sabia o que eram selos, pois lá em casa de vez em quando, lá se recebia uma carta selada, mas nunca se tinha debruçado sobre aquele tema.
Percorreu o sítio, e foi fazedo as suas descobertas. Viu que muitas pessoas colecionavam selos, e que a esse hobbie se chamava Filatelia. Ficou intrigado com a descoberta, mas continuou a sua pesquisa para o trabalho da escola.
Nesse dia à noite, depois do jantar, o Teclas fechou-se no seu quarto, como era hábito nos adolescentes da sua idade. Pegou no telemóvel e, como tinha SMS’s grátis tal como os seus amigos, começou a enviar mensagens ao seu grupo de amigos.
- Zeca! Vem ajudar a levantar a mesa e depois vai estudar! – disse-lhe a mãe.
Não se obteve resposta.
- Zeca! Vem ajudar a levantar a mesa e depois vai estudar! – repetiu a mãe.
O Teclas continuava sem responder.
A mãe dirigiu-se ao quarto dele, abriu a porta, e lá estava o nosso Teclas de fones nos ouvidos a ouvir música e a enviar SMS’s!
- Zeca! Não me ouviste chamar?
- Hã?!
- Ó Zeca! Vai levantar a mesa e depois vai estudar! – pediu a mãe.
Contrariado, o Teclas, lá desligou a música, e de telemóvel na mão e lá veio fazer o que a mãe lhe tinha mandado.
No dia seguinte lá na escola onde andava, o Teclas contou aos seus amigos a descoberta que tinha feito no dia anterior, enquanto andava a pesquisar para o seu trabalho.
Os amigos e colegas riram a bom rir!
- Ó Teclas! Voltaste à pré-história? – perguntou o Cebola.
Chamavam-lhe o Cebola, porque a sua cabeça parecia de facto uma cebola. E como estes miúdos não deixam escapar nada, o Miguel ficou alcunhado de Cebola.
Todos riam do pobre Teclas. Envergonhado, afastou-se e ficou sossegado num canto do recreio sózinho.
- Ainda te mudamos a alcunha. Em vez de Teclas, passamos a chamar-te Pré-Histórico! – disse a Andreia.
Risada geral.
Mas como o Teclas não era rapaz de ficar amuado, pois tinha uma personalidade forte, deixou-os falar e, sózinho no seu canto, disse para si:
“Ainda vou saber o que é a Filatelia e fazer ver a esta gente que são uns incultos.”
Assim penssou, assim o fez!
Quando as aulas acabaram, correu para casa. Despachou-se a fazer os trabalhos de casa, lanchou e foi consultar a Enciclopédia lá de casa.
A mãe, quando o viu de livro na mão sentado no sofá, espantou-se.
- Zeca, meu filho? Estás doente? A consultares um volume da enciclopédia, em vez de procurares na Internet?
- Mãe – disse o Teclas – Isto é um caso de vida ou de morte!


Fragmento do livro juvenil "Teclas, o Filatelista" de João Paulo Mesquita Simões

Nenhum comentário:

Arquivo do blog