quinta-feira, 24 de junho de 2010

HISTÓRIA - ROQUE SANTEIRO 25 ANOS


OLHA QUE ISSO AQUI É BOM DEMAIS

Por Gustavo Carvalho do Carmo

Dia 24 de junho é dia de São João, o santo mais comemorado pelas cidades do interior do Brasil e o dono da festa junina mais popular. E foi nesta mesma data, há vinte e cinco anos, que a Rede Globo colocou no ar o primeiro capítulo de Roque Santeiro, uma novela rural que marcou época na história da teledramaturgia brasileira. No entanto, a história de Roque Santeiro foi uma segunda tentativa da emissora de produzir uma novela baseada na peça de Dias Gomes, O Berço do Herói (1963).

Segunda tentativa porque menos de dez anos antes, no dia 27/08/1975, o locutor Cid Moreira era obrigado a ler no Jornal Nacional um editorial em que anunciava o veto da censura à novela que estrearia meia hora depois. A Censura Federal acusava a novela de ofender a moral, a ordem pública e os bons costumes, além de criticar a Igreja. Com 10 capítulos prontos para ir ao ar e mais 30 gravados, a produção teve de ser cancelada, e Janete Clair, esposa de Dias Gomes, teve de escrever Pecado Capital às pressas enquanto Selva de Pedra era reprisada.

O triângulo amoroso formado por Roque Santeiro, Viúva Porcina e Sinhozinho Malta foi interpretado na versão censurada por Francisco Cuoco, Betty Faria e Lima Duarte, respectivamente. Não foi à toa que os mesmos atores encarnaram o motorista de táxi Carlão, a operária Lucinha e o empresário Salviano Lisboa em Pecado Capital.

Uma década depois, o Brasil já era governado por José Sarney há dois meses e, embora a censura só fosse abolida na Constituição de 1988, já estávamos em uma fase mais democrática. Então, a novela foi liberada. Porém, foi reproduzida desde o começo com outro diretor (saiu Daniel Filho para a entrada do quarteto formado por Gonzaga Blota, Marcos Paulo, Jayme Monjardim e Paulo Ubiratan). O próprio Dias Gomes ganhou o reforço de Aguinaldo Silva e mais dois colaboradores como Joaquim Assis e Marcílio Moraes (que escreveu Essas Mulheres para a Record). Entre o trio de protagonistas, somente Lima Duarte continuou para fazer Sinhozinho Malta (só que agora de bigode). O personagem-título foi interpretado por José Wilker e Regina Duarte fez da espalhafatosa Porcina um dos seus mais marcantes trabalhos.

A novela se passava na cidade fictícia de Asa Branca, no Nordeste brasileiro, onde o coroinha Luís Roque Duarte que, com a sua habilidade de modelar imagens de santos tinha o apelido de Roque Santeiro, era assassinado ao defender a cidade do bandido Navalhada. Depois de fazer supostos milagres, Roque passou a ser considerado pelo povo da cidade como santo e Asa Branca faturou com o turismo religioso. Mas o que ninguém sabia era que o novo "padroeiro" da cidade voltaria vivo e disposto a acabar com a farsa.

Quem não gostou nada da volta de Roque Santeiro foram o Padre Hipólito (Paulo Gracindo), o comerciante Zé das Medalhas (Armando Bógus) e o fazendeiro Sinhozinho Malta. Os dois primeiros temiam a queda do turismo na cidade com a derrubada do mito e Malta porque mantinha um romance com Porcina, uma rica mulher que ficou conhecida como a viúva do Roque sem nunca ter casado com ele, jogada de marketing inventada pelo fazendeiro. Naturalmente forma-se um triângulo amoroso. Mas a verdadeira noiva de Roque era Mocinha (Lucinha Lins), a filha do prefeito Abelha (Ary Fontoura) e da beata Pombinha (Eloísa Mafalda), e que se manteve virgem esperando pela volta do amado desaparecido. Mocinha também era a musa do esquisito Professor Astromar Junqueira (Ruy Rezende).

A pacata cidade ainda foi agitada pela chegada de Matilde que abriu no lugar da Pousada do Sossego a boate Sexus com a suas meninas Ninon e Rosaly, vindas do Rio de Janeiro. Não precisa nem dizer que Dona Pombinha e o Padre Hipólito foram os primeiros a se manifestarem contra a casa noturna. Outro burburinho foi provocado pela chegada do cineasta Gérson do Valle (Ewerton de Castro) e sua equipe de produção do filme sobre a história de Roque Santeiro, estrelado por Roberto Mathias (interpretação memorável do cantor Fábio Júnior) no papel do falso santo. Nos intervalos das gravações, Mathias aproveitava para se envolver com a verdadeira Viúva Porcina, com Tânia (filha rebelde de Sinhozinho Malta) e Dona Lulu (esposa de Zé das Medalhas).

A novela também abordou a Reforma Agrária, defendida por Tânia e o Padre Albano (Cláudio Cavalcanti), o que provocava a divisão da Igreja com o liberal Albano de um lado e o conservador Hipólito do outro.

Além de Lima Duarte, Milton Gonçalves, Elisângela, Luiz Armando Queiroz, Tony Tornado, Ilva Niño, Luís Carlos Barroso trabalharam nas duas versões. Milton (Padre Hipólito virou o promotor público Lourival) e Elisângela (era Tânia virou Marilda, mulher de Roberto Mathias) trocaram de personagens. Os restantes mantiveram Tito, Rodésio, Mina e Toninho Jiló, respectivamente. A curiosidade é que Barroso ainda estava na pré-puberdade na primeira versão. Outros atores foram revelados na segunda versão como Cláudia Raia, Alexandre Frota e Maurício Mattar.

Uma novela rural como Roque Santeiro fez a Globo mudar a estratégia musical e lançar dois discos nacionais em vez das tradicionais trilhas nacional e internacional. Santa-Fé, cantada por Moraes Moreira foi a música de abertura da novela. Roque Santeiro, de Sá e Guarabira era o tema da cidade. Isso Aqui Tá Bom Demais (Dominguinhos e Chico Buarque) era tocada para Sinhozinho Malta enquanto a romântica Dona do grupo urbano Roupa Nova era o tema da Viúva Porcina. Também marcaram como tema "De Volta Pro Meu Aconchego" (Elba Ramalho), "Mistérios da Meia-Noite" (Zé Ramalho), "Sem pecado e Sem Juízo" (Baby Consuelo) e "Chora Coração" (Wando).

Roque Santeiro teve 209 capítulos e encerrou-se no dia 21 de fevereiro de 1986. Foi reprisada duas vezes. A primeira na extinta "Sessão Aventura" em 1991 e a última no apropriado "Vale a pena ver de novo" em 2000.


Fonte de consulta: www.teledramaturgia.com.br

Um comentário:

Joao Paulo Mesquita Simoes disse...

Passou em Portugal já há muitos anos. Talvez os mesmos daí!
Gostei de ver, sobretudo pelo maravilhoso elenco.
"Estou certo, ou estou errado?"

Abraços!

Arquivo do blog