sábado, 17 de abril de 2010

PROGRESSÃO

Por Gustavo do Carmo


Matou uma família. À sangue frio. Estuprou a mulher, a filha adolescente e o caçula de onze anos. Degolou o avô e estourou a cabeça do chefe que chegara cansado e rendido do trabalho. Mulher e filhos sobreviveram fisicamente, mas a moral e o prazer de viver de ambos também foram dizimados. O vagabundo fugiu para o seu barraco na Favela do Canário Pelado.

Zé Perygozo (com y e z, mesmo) foi preso dois meses depois da sua festa de 18 anos, dada pelo pai adotivo, líder comunitário e alheio ao crime do filho. A chacina da família foi cometida um dia depois do aniversário. Já era maior de idade e podia responder como adulto. Foi mandado para a prisão, mas os assistentes sociais defensores dos direitos humanos o mandaram para uma cela especial, pois sua vida corria risco porque estuprara uma criança.


Como não tinha uma carceragem só pra ele, o colocaram junto com um universitário acusado de injúria racial. O jovem, mal interpretado num momento de raiva pelo segurança burocrático de um museu, tentou fazer amizade com Zé. Teve o relógio roubado e foi esganado. O meliante rasgou as roupas de sua nova vítima. O menino foi encontrado de cueca, pendurado pelo pescoço e pelas roupas amarradas no cano d’água da cela.


Zé Perygozo foi apenas uma inocente “testemunha” do suicídio do universitário, mas não escapou da condenação por 16,5 anos pelo duplo homicídio da família pagadora de impostos. O julgamento foi realizado três anos depois do crime. Período que Zé cumpriu inteiramente na Casa de Custódia para onde foi transferido. No ano seguinte, ganhou progressão de pena por ter cumprido um sexto dela e apresentado bom comportamento. Saiu com uma Bíblia nas mãos.


Zé Perygozo foi assistido na sua saída da prisão por um casal de assistentes sociais. Um casal chamado Culpa e Remorso, que o tentava dissuadir da vida de crimes. Os dois não saíam do seu pé. Zé Perygozo também era teimoso. Não cedia nunca. Até que se estressou e estuprou a Culpa e obrigou o Remorso a assistir a cena. Depois, os acertou no coração com sua Divina, a pistola de estimação com o qual sempre andava, matou a família do início e não se separou nem na cadeia. Abandonada, só a Bíblia.


Zé Perygozo voltou para a sua favela e foi recebido como herói. O pai havia morrido do coração quando o filho foi condenado. Perygozo preferiu assumir a Boca do Tráfico da favela.

Zé Perygozo sentiu saudades do trabalho de campo. Como um apresentador de telejornal que sente saudades das reportagens de rua, o traficante foi até a Marginal e roubou um carro médio importado da Argentina. Sortudo, apostou numa vítima indefesa e não se preocupou com a película escura do vidro. Como agradecimento pela entrega fácil do carro, engatilhou sua Divina na cabeça da professora.


Aliviado, curtiu pela última vez sua Divina que não foi páreo para a Magnum da Justiça, ex-assaltante de banco, ex-vereadora e ex-policial convertida ao evangelho, que expulsou os traficantes da Favela do Canário Pelado e assumiu a liderança da comunidade, promovendo a paz e a tranquilidade até as águas de março fecharem o verão, quando o antigo lixão foi devastado por um temporal.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog