sábado, 3 de abril de 2010

A CIDADE ONDE CABE TODO O BRASIL

Por Gustavo do Carmo






Venha para São Paulo! Deixe o Rio pra lá! O Rio é a capital da bala perdida, dos arrastões, da morte gratuita. O Metrô daí não serve. Vive lotado. As pessoas morrem sufocadas. E o trem, então? É uma sucata. Anda sem maquinista. As pessoas são chicoteadas. E quando perdem a paciência: sai de baixo! Quebram tudo! Quebram a cidade inteira.



O Rio não presta! São Paulo é a cidade do futuro! Cidade cosmopolita. Bela e maravilhosa. É lindo andar na cidade de SÃO PAULO! Em São Paulo se come melhor. As pessoas trabalham sorrindo. É uma cidade alegre e limpa.



O Rio de Janeiro é sujo. Roubam-se placas e óculos de estátuas. Picham-se prédios e monumentos. A cidade cheira a lixo e a esgoto. A impressão que a gente tem é que o Rio é uma cidade que nasceu pra dar tudo errado. São três séculos de ocupação irregular.

Virei a casaca? Logo eu, o mais bairrista dos cariocas? Aquele que não vê os problemas da cidade e que nunca vai crescer por causa disso? O bairrista infantil, romântico e utópico? Não. As declarações de amor a São Paulo e de ódio ao Rio foram todas irônicas.

Aliás, sem ironia. É a mensagem que a imprensa nacional, inclusive a carioca, quer passar do Rio de Janeiro. Bombardeia as cabeças fracas e hipnotizáveis com notícias sobre todo tipo de violência urbana ocorrida no Rio de Janeiro. Principalmente nos jornais locais. E, para completar a lavagem cerebral, um comercial de São Paulo está sendo exibido nos intervalos desses informativos. O Brasil todo cabe em São Paulo. Convidando, aparentemente, para fazer turismo, mas a intenção real é incentivar a migração para o estado vizinho.

São Paulo pode até exibir comerciais do turismo carioca (embora nunca tenha visto nas vezes em que estive lá), mas desconheço algum comercial da Cedae, do Rio Sul, Norte Shopping ou do Barra Shopping e da Oi Fixo. Aquele comercial da Claro que enaltecia o Rio de Janeiro foi exibido em São Paulo? Claro que não.

Mas muitas vezes, nós, cariocas somos bombardeados por anúncios da Sabesp, do Shopping Itaquera, Telefónica (a fixa de São Paulo, não a antiga celular que atuava no Rio antes da Vivo) e até Magazine Luiza, estrelado pelo Faustão, que vive fazendo merchandising da rede de eletrodomésticos. Já o Luciano Huck faz merchan de outra rede, a Ricardo Eletro, mas pede desculpas pela loja não existir em São Paulo. Por que o Faustão não faz o mesmo pela Luiza por não ter no Rio? Até a Oi fez questão de anunciar para todo o Brasil que chegou a SP.

Voltamos a apresentar o noticiário. O RJTV tem até um comentarista para esmiuçar ainda mais a violência urbana no Rio. A rádio Bandnews virou a verdadeira rádio-patrulha. Noventa por cento das vezes que os locutores anunciam “Chamada agora do Rio de Janeiro: Cem policiais fizeram hoje uma operação na Favela da Chatuba, atrás de traficantes!”. Como se só existissem traficantes e favelas no Rio, né? Logo depois, entra a vinheta: “NA RÁDIO MAIS VELOZ DO BRASIL, SÃO PAULO 300 MILHAS! FÓRMULA INDY!”

Em São Paulo também tem violência. Jogam-se crianças do alto de um prédio, ex-namoradas são feitas como reféns por dias e depois assassinadas, pessoas são metralhadas no cinema, pessoas são abatidas com tacos de beisebol pelas costas e o PCC domina a cidade por um dia, fechando mais de 20 presídios e delegacias num dia de protesto e sequestrando até jornalista. Chegaram ao cúmulo de obrigar a Rede Globo, como resgate, a abrir vinheta de plantão para o bandido expor as suas ideias. Cidade onde médico esquarteja paciente e um médico estupra mais de 60 pacientes!



Mas isso logo é esquecido. Só lembram do helicóptero abatido por traficantes no Rio de Janeiro, sede das olimpíadas de 2016, que teria comprado o direito de sediar, já que não tem condições, pois São Paulo é melhor.

Até os problemas de São Paulo são melhores. Em São Paulo tem terremoto, quedas de avião e helicóptero. Coisa chique. Tragédias de Primeiro Mundo. Os engarrafamentos são enfrentados com prazer e alegria. Ninguém é assaltado. Não é assaltado porque não divulgam.

Cariocas e fluminenses, vamos fazer como o bom paulista, que ama e defende a sua cidade, o seu estado. Eu gosto de São Paulo, mas não suporto este imperialismo que está acabando com o Rio.

Vamos cuidar e dar valor à nossa cidade, ao nosso estado e tentar resolver os problemas. Vamos parar de achar que em São Paulo é tudo melhor que o Rio. É tudo igual! Palavra de quem já esteve lá várias vezes. Até os problemas e sujeiras são os mesmos. O dinheiro é que transforma São Paulo e os paulistas em imperialistas e leva tudo para lá.

Vamos parar de mudar para lá antes de procurar todas as oportunidades no Rio. Como diz o ditado: Quem procura acha. Antes de falar mal da cidade/estado que vocês abandonaram, vejam o que vocês não fizeram por eles.

Deputados fluminenses, vamos criar mais leis protecionistas para o estado do Rio de Janeiro. Tentem impedir propagandas de produtos e serviços indisponíveis no Rio. Obriguem a mídia a moderar as desnecessárias notícias das mazelas do Rio. Se São Paulo esconde sua violência urbana por que o Rio tem que mostrar? E claro, vamos ignorar os maus e os ex-cariocas.

Vamos boicotar noticiários que só propagam o lado ruim do Rio e o lado bom de São Paulo. Assim, a mídia vai tomar jeito.

Ou São Paulo vai continuar sendo a Pasárgada brasileira e a cidade onde cabe todo o Brasil, principalmente os refugiados fluminenses, expulsos pelo afundamento na lama do Rio, que pode se tornar inabitável se a mídia não parar de enaltecer nossas mazelas e os bandidos, políticos corruptos e ex-cariocas.


Um comentário:

Miguel Angel disse...

Meu caro,
vc parece muito preocupado com São Paulo e sua influência sobre O Rio... eu me preocuparia mais com seus governantes responsáveis pelas tragêdias que acometem a cidade maravilhosa: quando o governador do Rio, Sérgio Cabral, diz que a culpa das mortes de pessoas que moram em áreas de risco, se deve à demagogia. Pois no Rio se acharia ” natural” pessoas morarem em certos locais. Há quase quatro anos no governo do Rio, o que foi feito para acabar, ou ao menos reduzir essa tal “demagogia”? Quantas casas foram construídas para essa gente morar ? Quanto foi investido efetivamente em saneamento e habitação? Por que o poder público fechou aos olhos a tantos moradores vivendo em encostas e áreas de risco? Por que os mesmos lugares do Rio enchem com qualquer chuva mais forte sem que nada seja feito?
Concomitante a isso, vem a notícia que o Rio foi o estado que menos recebeu recursos do governo federal para serem utilizados na prevenção de enchentes. Por que será que a Bahia recebeu mais da metade dos recursos federais enquanto o Rio recebeu mera esmola? Não bastasse a história dos royalties que tem tudo a ver com a política canalha do Lulla, agora percebemos que ser governista e conivente com a quadrilha federal não leva a muita coisa, não. Em primeiro estão sempre os petralhas e seus interesses, o resto vem bem depois. Inclusive a campanha a favor de SP feita pela TV.
*
Uma coisa ficou muito clara diante dessa tragédia humana que representa a morte estúpida de mais de 100 pessoas. Não vi o energúmeno do Sérgio Cobra Coral verter uma única lágrima de solidariedade às famílias enlutadas. Mas a ameaça da perda dos cinco bilhões de royaltes do petróleo o levou a chorar compulsivamente em público, como se tivessem tirado a sua chupeta. Por que será?

Vai pensando em responder essas perguntas, depois a gente fala das tragédias de São Paulo e sua campanha imperialista para seduzir cariocas... KKK
"Deputados fluminenses, vamos criar mais leis protecionistas para o estado do Rio de Janeiro." Vamos aprender a votar na próxima eleição e nos proteger contra os maus administradores!
E salvemos O BRASIL!

Arquivo do blog