quinta-feira, 1 de abril de 2010

Bicentenário do Nascimento de Fryderyc Chopin e de Robert Schumann



João Paulo Mesquita Simões

A música é relaxante. Também depende da música que ouvimos e do nosso estado de espírito.
Confesso que adoro música. Não o batuque que hoje nos habituámos a ouvir, mas sim aquela música suave e, sobretudo, naqueles dias de maior stress, um clássico sabe sempre bem ouvir.
Por isso hoje, trago-vos uma emissão de selos do bicentenário de Schumann e Chopin.
A descrição abaixo, foi retirada da Pagela dos Correios de Portugal.


Bicentenário do Nascimento de Fryderyc Chopin e de Robert Schumann

Nasceram em 1810, com escassos três meses de diferença, duas figuras de vulto da música clássica de todos os tempos: Fryderyc Chopin, natural de Zelazowa Wola, uma aldeola perto de Varsóvia, e Robert Schumann, nascido em Zwickau, cidade não longe de Leipzig, na Alemanha Oriental.
Pioneiros e notáveis expoentes da música romântica, numa época de transição em que ainda imperava o classicismo nas suas várias formas de expressão, a eles se deve o desenvolvimento de algumas composições de características formais inovadoras, bem como a exploração de sentimentos e experiências novos, fruto de uma relação mais apaixonada com a arte, que também encontramos na obra de Delacroix, ou de poetas como Goethe e Heine, cujas palavras inspiraram Schumann.
Filho de pai francês e mãe polaca, Chopin cedo se revelou como genial intérprete de piano, vindo também a tornar-se um dos maiores compositores para este instrumento. Influenciado pela música de Bach e pelas óperas do amigo Bellini, a sua principal influência, contudo, terão sido as canções e danças populares da Polónia natal. Aos 20 anos radica-se em Paris, onde se tornou um dos intérpretes mais populares entre a aristocracia e dos mais bem pagos. Aí conheceu, em 1837, a romancista George Sand, com quem viveu dez anos e que foi a principal inspiradora dos períodos mais profícuos da sua criação musical. Dois anos após a separação, morre, com apenas 39 anos, vitimado por doença pulmonar que há muito se vinha manifestando. O legado que nos deixou, constituído por 170 composições, na sua grande maioria para piano, influenciou músicos como Brahms, Fauré e Debussy, continuando a deliciar os melómanos contemporâneos.
Apreciador da música de Chopin era Robert Schumann que, a propósito das suas Variações sobre “La ci darem la mano”, de 1827, terá exclamado: “Que génio, meus senhores! Tiremos-lhe o chapéu!”. Filho de um escritor e editor, Schumann herdou o gosto pela leitura dos escritores românticos da época, faceta que haveria de se manifestar no gosto pela palavra, quer como compositor de canções plenas de lirismo, tendo por base poemas de autores do seu tempo, quer como crítico musical numa revista por si fundada em 1834 e dirigida durante dez anos. Após a morte do pai cursou Direito em Leipzig, mas foi a música que o fascinou, em especial a música para piano, instrumento que começou a tocar com lições de Friedrich Wieck. Mas cedo teve de abandonar a interpretação devido à paralisia num dedo, pelo que se dedicou exclusivamente à composição, sobretudo de obras para piano, instrumento que lhe serviu de meio de expressão do pensamento com sublime perfeição. Em 1833 contraiu uma depressão que se iria manifestar recorrentemente ao longo da vida e que, após tentativa de suicídio, o levou mesmo ao internamento num hospital de alienados, onde viria a morrer, em 1856, com 46 anos de idade.
Património cultural da Humanidade, a obra perene e de alcance universal destes dois génios da Música justifica plenamente que os Correios portugueses lhes dediquem a presente emissão filatélica comemorativa.


Dados Técnicos


Obliterações do 1º dia em:
Lisboa / Porto / Funchal / Ponta Delgada

Emissão:
2010 / 03 / 01

Selos:
€ 0,68 – 230 000
€ 0,68 - 230 000

2 Blocos:
Com um selo cada
2 x €2,00 – 2 x 60 000

Design: José Brandão / Elizabete Rolo
Fotos: Corbis, Robert-Schumann-Haus, Zwickau
Agradecimentos:
Robert-Schumann-Haus, Zwickau
Papel: 110g / m2
Formato:
Selos: 40mm x 30,6mm
Bloco: 125mm x 95mm
Picotagem:
13 x Cruz de Cristo
Impressão: offset
Impressor: CARTOR

Esta Emissão é impressa em papel FSC

Folhas:
with 50 copies

Sobrescritos de 1º dia:
C6 – € 0,55
C5 – €0,74

Pagela:
€ 0,70



3 comentários:

Ed Santos disse...

O que seria de nó se não fossem os gênios?

Ed Santos disse...

de nós...

Miguel Angel disse...

Caro amigo e vizinho,

Parece-me que estas tuas incursões culturais através da filatelia estão levantando o nível deste blog.
Abçss

Arquivo do blog