domingo, 25 de abril de 2010

ANTÍTESE

Por Ed Santos



Quero estar deitado, sempre
Colado no calor do teu ventre
E apreciar ludicamente
toda a diferença entre o dia e a noite.
Quero ao amanhecer traçar o meu destino,
finito que seja, mas quero tê-lo, brincando.
Quero ver a chuva morna cobrir o campo,
e nela poder descansar.
Quero o belo da noite,
E depois do limite do dia,
pro teu colo poder regressar.

Um comentário:

Miguel Angel disse...

Esse é meu(teu)poema favorito! hehe

Arquivo do blog