sábado, 6 de março de 2010

SORTE

Microcontos de Gustavo do Carmo




Fatura
Foi sorteado e ganhou um mês de fatura paga do cartão crédito. Mas foi exatamente no mês em que sua esposa estava se restabelecendo de um acidente no hospital. No mês seguinte, ela voltou a estourar o limite como sempre.

Acordando
Acordou sem inspiração e vontade para nada. Dormiu às cinco da manhã com um livro pronto para ser publicado.


Dormindo
Dormiu pensando que ia assinar um bom contrato para publicar o seu livro. Acordou e descobriu que teria que pagar pela edição.



Sono Profundo
Esperou tanto por uma oportunidade que acabou se cansando. Quando o jornal ligou para lhe oferecer um emprego, ele estava num sono profundo.



Sorte
Sempre acreditou que passar embaixo da escada dava sorte. E pra ele deu mesmo. Quando passou, caiu um martelo de obra em sua cabeça. Sobreviveu, mas levou alguns pontos. Ganhou uma indenização bem gorda.



Azar
Sempre acreditou que cruzar com gato preto dava azar. E pra ele deu mesmo. Quando tentou tirá-lo do seu caminho ficou todo arranhado.



Ágil
Teve uma ideia para escrever um livro que seria um best-seller e o livraria da dependência financeira do pai. Um grande autor teve a mesma ideia. Foi mais ágil e publicou mais um best-seller.



Supersticioso I
Não era supersticioso. Quando passou por baixo da escada, um martelo caiu em sua cabeça, afundando-lhe o crânio.


Supersticioso II
Não era supersticioso e não tinha medo de gato preto. Foi brincar com ele e levou um arranhão na jugular.



Espinhos
Era uma mulher tão sem sorte que conseguiu pegar a única rosa com espinhos no show do Roberto Carlos.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog