quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Os Primeiros Selos Brasileiros

João Paulo Mesquita Simões

Pediu-me o Gustavo que, ao falar de selos como tenho feito até aqui, não me referisse só às emissões Portuguesas. Que falasse também um pouco da Filatelia Brasileira, pois interessaria mais ao público que lê este Blogue.
Contudo, devo dizer que não sou Brasileiro. Sou Português.
Por isso, conheço melhor a realidade filatélica portuguesa - plano de emissões, datas de saída, suas histórias - do que o que se passa nos outros países.

Só nas temáticas Filatélicas, como Escutismo, Fauna, Automóveis e Faróis, que são aquelas que eu faço, é que vou pesquisar sobre aquele selo, o que trata, para dar uma breve história da temática que estou a tratar.
Mas para não fazer a desfeita ao Gustavo e aos Leitores, pesquisei aqui na Internet algo sobre o selo Brasileiro, nomeadamente o Primeiro Selo Brasileiro a que vocês chamam "Olho de Boi".

Deixo aqui um pouco da História do surgimento deste selo no vosso País, pedindo desculpas por não ser tão aprofundado como eu gostaria. Mas espero que entendam que o vosso Colaborador Português, não é um sabichão!
Abraços para todos e votos de um Bom Ano!





O "Olho-de-boi" - o primeiro selo brasileiro - foi a segunda emissão postal publicada no mundo. Ele recebeu este curioso nome porque sua ilustração era semelhante ao órgão visual de um boi. Foi emitido em 1° de agosto de 1843, mas a lei para implantação foi assinada menos de uma ano após o lançamento do Penny Black, em 1941. A emissão do "Olho-de-boi" demorou dois anos para ser concretizada porque a Casa da Moeda não dispunha de máquinas para imprimir os selos.
Historiadores afirmam que a rapidez com que esta invenção chegou ao Brasil se deve ao carácter inovador de Dom Pedro II, que acreditou que os selos seriam bem recebidos pela população (tanto que mandou imprimir 8 milhões de exemplares em uma época em que o Brasil tinha 5 milhões de habitantes).
O valor dos selos foi definido em 1842 - decretos números 254 e 255, de 29 de novembro de 1 842 - que regulamentavam o porte das cartas e demais papéis e criavam o selo postal brasileiro, nos valores de 30, 60 e 90 réis, e os números ilustrariam os selos. Ao contrário da Inglaterra, que optou por ilustrar o selo com uma figura histórica, o sistema postal brasileiro decidiu não colocar o rosto do imperador ou o nome do país porque estas indicações só deveriam aparecer em "objetos perduráveis e dignos de veneração". As cifras foram escolhidas como primeira forma de ilustração porque sua confecção era difícil de ser imitada. O olho-de-boi teve o número feito à mão e o fundo feito por máquina.
Os selos de 30 e 60 réis seriam usados por cartas de circulação nacional e o selo de 90 réis para cartas destinadas a países no exterior. Assim, como na Inglaterra, os primeiros selos brasileiros não eram picoteados. O funcionário dos Correios cortava o selo com tesoura para vender ao cliente.

http://www.filatelicamente.online.pt/r109/artigo_html/revista109_16.html


Um comentário:

Miguel Angel disse...

"se deve ao carácter inovador de Dom Pedro II"
Sempre ele. E existem alguns cretinos ignorantes aqui no Brasil, que sismam em tachar o homem com os mais estúpidos adjetivos pejorativos...
Mas meus selos prediletos que aguardo o retorno são os dedicados à culinária portuguesa. Sei lá por que... hummm
Abraços e vamos em frente, didático e divertido como sempre!

Arquivo do blog