sexta-feira, 31 de julho de 2009

EXISTÊNCIAS GÊMEAS

Por Dudu Oliva

Sempre ouvi dizer das diferenças entre classes sociais, por idade e nacionalidades distintas; porém, de um tempo para cá, comecei a pensar que há peculiaridades em relação à existência de cada indivíduo. Há casos de duas pessoas estarem na mesma faixa etária, condição social e nível cultural; mas, simplesmente, não possuírem nenhuma empatia um com o outro.

Diferente de outros casos, os quais pessoas de origens distintas se são dão muito bem por haver uma harmonia existencial. Este fato começou a chamar minha atenção, depois que comprei um livro por um real numa feira no Centro da cidade: Destinos de Humberto Campos, uma obra póstuma de crônicas. Coincidentemente li uma narrativa que me chamou atenção de primeira, O VIOLINO ENCANTADO.

O escritor articula sua versão do conto de Sienkiewicz*, no qual narra o encanto de um menino pobre ao ver um violino. Um dia, invade a casa dos patrões para admirar o instrumento e é acusado de querer roubá-lo, levando uma sova em seguida.

“O menino deixou-se ficar, como caíra. Um sorriso meigo subiu-lhe à boca, de mistura com um gole de sangue. Abriu muitos os olhos para a lua, que se mirava lá dentro, nas suas pupilas. E começou a ouvir a continuação da ária, mas agora, mais linda, mais doce, mais harmoniosa, e que se perdeu ao longe, à distância, na noite do seu sono eterno...”


Humberto Campos faz um paralelo do conto com o Coelho Neto** escritor, político e professor brasileiro.

“ Naquela noite de luar, era aquele o seu violino encantado. Apenas, ao contrário do pequenino músico de Sienkiewicz, Coelho Neto, rejuvenescido pelo exemplo dos moços, vai, agora, com certeza, caminhar a convalescença, para o trabalho, para as vitórias novas, num espetáculo soberbo de saúde, de força, e de ressurreição...”

Depois da leitura, comecei a pensar na existência de indivíduos que, apesar da pouca cultura, possuem uma sensibilidade para arte e às belezas da natureza. Por exemplo, no meu ponto de vista, o menino do conto e Coelho Neto têm algo em comum: a sensibilidade de perceber o que está em volta; entretanto, um só tem intuição e imaginação; o outro o domínio da palavra e uma vasta cultura. Talvez, um intelectual do mesmo porte do escritor seja completamente contrário a ele que, por sua vez, está mais próximo do garoto do violino.

Sinceramente, quero acreditar em existências gêmeas que podem superar diferenças sociais, culturais, religiosas e étnicas. Já pensou, uma pessoa do outro lado do mundo; ter uma ligação com você?


* ( escritor polaco, premiado com o prêmio Nobel da literatura em 1905 e considerado um dos mais brilhantes escritores da segunda metade do século XIX.)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Henryk_Sienkiewicz

**
http://pt.wikipedia.org/wiki/Coelho_Neto

Nenhum comentário:

Arquivo do blog