quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

1926 - Independência de Portugal - 2ª emissão (continuação)


Por João Paulo Simões



Com a morte de D. Fernando, a independência de Portugal estava em risco, pois este monarca não tinha filho varão que lhe sucedesse na governação do País. Tinha sim uma filha, casada com um soberano de Castela, pondo em perigo a nossa soberania. D. Leonor Teles, viúva de D. Fernando I, assumiu os destinos do País. O povo não gostava dela por ter ligações com um nobre galego, o Conde Andeiro.
A pequena nobreza apoiada pelo Mestre de Aviz, revoltados com a situação matam o Conde Andeiro e D. Leonor foge de Portugal. D. João I, Mestre de Aviz, é aclamado rei de Portugal.
D. Nuno Álvares Pereira, também apoiante do Mestre de Aviz foi reconhecido nas cortes pelos seus actos.Estes dois homens preparam uma estratégia para defender Portugal de uma invasão de Castela.
De facto, os Castelhanos invadem o nosso país e iam sendo derrotados ao longo do seu percurso, embora saqueassem igrejas, mosteiros, casas, tudo o que lhes aparecesse à frente.
Finalmente, chegados a Aljubarrota, encontraram novamente outra parte do nosso exército, tendo sido derrotados. A Batalha de Aljubarrota foi a demonstração da força com que os nossos antepassados defenderam a nossa independência.
Perante este facto, D. João I mandou construir um sumptuoso mosteiro no local da batalha, numa promessa que tinha feito à Virgem Santíssima. O Mosteiro de Santa Maria da Vitória, começou a ser edificado em 1385, tendo sido o arquitecto Afonso Domingues.
Este mosteiro serviu de base para a 2ª emissão de selos da Independência de Portugal, com uma fotografia directa do mosteiro e desenho de Roque Gameiro representando D. João I, gravura a talhe doce de George Harrisan e Norman Broad. Foram emitidos 181.800 selos de $03 azul, 491.800 selos de $05 sépia, 301.800 selos de $15verde cinzento, e 126.800 selos de $46 carmim.De notar que, estes selos venderam-se quase na sua totalidade, tendo havido um segundo período de circulação com sobretaxa em caracteres góticos conforme mostram as figuras.

Um comentário:

Anônimo disse...

Quero saber tudinho sobre isso!
Quero aprender!
OK!

Arquivo do blog