quinta-feira, 18 de setembro de 2008

1895 - 7º Centenário do Nascimento de Santo António


Desde 1140 que D. Afonso Henriques tentava conquistar Lisboa aos Mouros que só veio a conseguir em 1147 depois de um apertado cerco e com a ajuda dos Cruzados vindos de França. Lisboa era então uma cidade recém-cristã quando, na sua catedral, foi a baptizar Fernando Martins de Bulhões filho de D. Teresa Tavera e de Martinho de Bulhões, seu maridoFernando Martins de Bulhões, nasceu em Lisboa a 15 de Agosto de 1195. Desde muito novo que demonstrou tendências religiosas, frequentando a Sé de Lisboa, São Vicente de Fora, rumando depois para Coimbra para o Convento de Santa Cruz e o Convento de Santo Antão – Ordem de São Francisco de Assis – que mais tarde veio a designar-se Convento de Santo António dos Olivais. Em 1220, muda o hábito de Santo Agostinho pelo hábito Franciscano, passando a chamar-se António. Embarcou para África mas, vítima de doença, teve de regressar. O barco onde vinha foi fortemente atacado por uma tempestade levando-o à costa da Secília. Nesta ilha transalpina, teve oportunidade de demonstrar as suas qualidades de orador, aperfeiçoou os seus estudos e ensinou teologia. Passou a chamar-se São Francisco de Assis. Percorreu outros países em missão. São atribuídos inúmeros milagres ao Santo português que veio a falecer aos 36 anos em Pádua a 13 de Junho de 1231.No verso de cada selo, foi impressa a azul, tipograficamente na Casa da Moeda, a seguinte inscrição com oração em Latim:”Centenário de Santo António MCXCV * MDCCCXCV” “O língua benedicta, quase Dominum semper benedixisti et adios benedicere docuisti : nunc perspecue cernitur quanti meriti fueris apud deum” S. Boaventura. (Cuja tradução é: “Oh língua bendita, que sempre louvaste o Senhor e ensinaste os outros a louvar: agora claramente se vê quanto merecimento tiveste junto de Deus”). S. Boaventura.








(In: Carlos Kulberg, “Selos de Portugal, vol 1”)







O dia 13 de Junho é portanto dia de Santo António, feriado municipal em algumas localidades, motivo de festejo.É também conhecido como o santo casamenteiro. Quem não conhece as noivas de Santo António? Surgiu esta emissão da “Comissão de Festas do Centenário do Centenário do Nascimento de Santo António”, com o objectivo de angariar verbas para a “Associação Protectora da Infância Santo António de Lisboa”.Os selos de 2,5 reis e 100 reis, foram desenhados por António Monteiro Carvalho, e os de 150 reis a 1000 reis, desenhados por Carlos Reis. O selo de 2,5 reis foi gravado em madeira por Manuel Diogo Neto e impressos na Casa da Moeda. As cores desta série de selos, foram escolhidas por Augusto José da Cunha, sendo as taxas de 2,5 reis a duas cores. A ideia de lançar estes selos foi boa, mas fracassou economicamente. Assim, uma emissão de 9 280 000 selos do Continente, foram vendidos apenas 1 982 989 selos, sendo os restantes queimados pela Casa da Moeda.Circularam de 13 a 30 de Junho de 1895.



(Baseado em texto de Carlos Kulberg, Selos de Portugal Álbum 1)













Nenhum comentário:

Arquivo do blog